As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

A pedido do relator, leitura do relatório fica para próxima semana

Lilian Venturini

22 de novembro de 2012 | 09h27

Lilian Venturini, de O Estado de S.Paulo

O relator da CPI do Cachoeira, deputado Odair Cunha (PT-MG), pediu adiamento da leitura do relatório final dos trabalhos da comissão para a próxima semana, durante a sessão desta quinta-feira, 22. Nesse período, o parlamentar prentende conversar com os demais membros da CPI, o que indica que o texto pode sofrer alterações.

Apresentado formalmente nessa quarta-feira, 21, o relatório final propõe o indiciamento de 46 pessoas, entre elas  do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), ex-assessores do tucano, o dono da construtora Delta, Fernando Cavendish, o deputado Carlos Alberto Leréia (PSDB-GO) e o prefeito de Palmas, Raul Filho (PT). O documento recebeu críticas tanto da oposição quanto de governistas.

A proposta de adiar pela segunda vez a leitura do relatório foi mal recebida pelo deputado tucano Carlos Sampaio (SP). Ele sugeriu que o relator estava inseguro sobre o conteúdo do documento. Outros parlamentares, no entanto, também integrantes da oposição, foram favoráveis. “Acho de bom tom que essa leitura não seja feita hoje. Se o bom senso prosperar e ocorrer modificações, que assim seja”, disse o senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP).

Sem sinalizar quais pontos podem ser revistos, Odair Cunha disse apenas que o pedido de adiamento está previsto no regimento da Casa e que seu objetivo é apenas dialogar com os parlamentares. “Vou continuar perseguindo aqui o objetivo aqui de fazer um relatório que espelhe a maioria da comissão. ” Após a leitura, a CPI terá cinco dias úteis para análise do relatório e só então será votado em plenário. O site do Senado disponibilizou a íntegra do documento.

Nesta quinta, integrantes do chamado bloco “independente” da CPI – integrado na maior parte por políticos de oposição – prometem ingressar na Procuradoria-Geral da República com uma representação pedindo o aprofundamento da investigação das relações de Cachoeira com agentes públicos fora do Estado de Goiás.

Com informações da Agência Senado

Abaixo, os principais momentos:

11h39 – Definido o adiamento da leitura, o presidente da CPI, senador Vital do Rêgo, encerrou a sessão. A comissão volta a se reunir na próxima quarta-feira, 28.

11h38 – Deputado Odair Cunha (PT-MG): “O que estamos fazendo aqui é o que nos propusemos, dialogar muito. Vou continuar perseguindo aqui o objetivo aqui de fazer um relatório que espelhe a maioria da comissão. Se eu lesse hoje, teríamos que votar na proxima semana. É regimental, o relator tem essa prerrogativa.”

11h30 – Deputado Dr. Rosinha (PT-PR): “A todo instante procura-se atacar o relator por ele ser do PT. Esse relatório foi feito pela assessoria desta CPMI, que todos tinham acesso a ela. (…) Se alguém aqui foi incompetente de não acompanhar o processo, não julgue o relator.”

11h29 – Parlamentares seguem discutindo sobre o mérito do pedido de adiamento. Aliados  consideram a razoável a decisão por permitir que partes do documento sejam revistas. A oposição argumenta que o relator quer mais tempo para mexer no texto e evitar desgastes políticos.

11h20 – Vice-presidente da CPI, deputado Paulo Teixeira (PT-SP), lembra que a leitura do relatório não impede a modificação do documento. “A modificação é fruto do próprio debate”, afirma o deputado em resposta à fala do deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP), que criticou o adiamento. “Se nós queremos debater esse conteúdo, é razoável que as questões que serão levadas ao Ministério Público sejam trazidas aqui.”

11h10 – Senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP): “Acho de bom tom que essa leitura não seja feita hoje. Será feita em uma CPI esvaziada. É de bom tom mesmo não ser feita hoje. Se o bom senso prosperar e ocorrer modificações, que assim seja. Esperamos que essas retificações dialoguem com o que nós (…) vamos fazer. ”

11h04 – O presidente da CPI, senador Vital do Rêgo, acatou o pedido do relator e a leitura será feita apenas na próxima quarta-feira.

11h – Deputado Carlos Sampaio (PSDB-SP) discorda do adiamento. Sugere que o relator está inseguro sobre o conteúdo do documento e que agora quer rever os indiciamentos propostos. “Ele vai retirar o pedido de investigação contra o procurador? (…) É evidente que não vai. E se o fizer, se desmoraliza. (…) Leia seu relatório e façamos a votação. (…) Demonstra intranquilidade e insegurança.” O deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) rebateu Carlos Sampaio e afirmou considerar saudável a discussão sobre o relatório.

10h56 – Deputado Miro Teixeira (PDT-RJ) apoia sugestão de adiar a leitura.

10h50 – O presidente da CPI do Cachoeira, senador Vital do Rêgo (PMDB-PI), abre a sessão. O relator, deputado Odair Cunha (PT-MG), sugere que a leitura seja adiada para a semana que vem para que ele tenha mais tempo de dialogar com os membros da comissão.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: