As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em convenção, Haddad faz duras críticas à política social de Kassab

Bruno Lupion

30 de junho de 2012 | 15h18

Bruno Lupion, do estadão.com.br, e Beatriz Bulla, da Agência Estado

SÃO PAULO – O candidato do PT à Prefeitura de São Paulo, Fernando Haddad, aproveitou a convenção realizada neste sábado, 30, que oficializou seu nome na disputa, para criticar a tentativa do prefeito Gilberto Kassab (DEM) de proibir a distribuição do sopão a moradores de rua e a anulação da licença de trabalho de 270 ambulantes com deficiências físicas.

“Esta semana a administração mostrou para valer a sua cara, criando factoides que não contribuem para uma sociedade de tolerância ou de paz. O lixo que acumula nas ruas por falta de coleta e as crianças vivendo sem saneamento básico não incomodam o prefeito, mas um prato de sopa para o morador de rua, sim”, afirmou, após o ato organizado na Câmara Municipal. Haddad disse também estranhar o silêncio do candidato do PSDB, José Serra a respeito dessas medidas.

Haddad estava acompanhado da candidata a vice-prefeito, Nádia Campeão (PC do B) e por líderes dos partidos da coalizão, como o presidente municipal do PSB, Eliseu Gabriel e o secretário geral do PP, Jesse Ribeiro, que foi vaiado por dezenas de militantes ao assumir o púlpito e mencionar o nome de Paulo Maluf.

O candidato do PT defendeu a política de alianças e disse que, se possível, teria agregado toda a base do governo Dilma Rousseff, como o PMDB de Gabriel Chalita e o PRB de Celso Russomanno, “para encerrar esse capítulo triste da história da cidade de São Paulo já no primeiro turno das eleições”.

Ao ser questionado se sentia falta de Paulo Maluf no evento, Haddad criticou a imprensa. “Vocês (jornalistas) têm o propósito de fulanizar o debate e estigmatizar nossa aliança”, disse, ressaltando que está focado no futuro da cidade e em como reproduzir na capital paulista as experiências que deram certo em âmbito federal.

Haddad questionou ainda a ideia de que a capital paulista tenha um perfil conservador. “Essa cidade não é conservadora, São Paulo já elegeu um negro, uma nordestina e uma sexóloga. A verdade é que atuam nessa cidade forças extremamente conservadoras. O povo paulistano merece dias melhores a vamos oferecer isso”, disse.

Em sua fala, Nádia Campeão optou por um discurso de conciliação e teve de responder perguntas sobre o não engajamento da senadora petista Marta Suplicy na campanha municipal e sobre a saída da deputada federal Luiza Erundina (PSB) do posto de vice de Haddad.

Sobre Erundina, Nádia afirmou que conversou com a deputada pelo telefone e que ela irá se engajar na campanha. “A Luiza levou muito em conta que ter uma mulher na chapa era uma coisa boa para a nossa luta, das mulheres. Ela disse que estava satisfeita e que vai se engajar na campanha”, afirmou. O presidente municipal do PSB, Eliseu Gabriel, também reiterou em seu discurso que a deputada federal vai participar da campanha de Fernando Haddad.

Em relação à ausência de Marta Suplicy na campanha petista, Nádia Campeão também buscou uma postura cordial. “A Marta é muito querida na cidade de São Paulo e seria uma pessoa muito importante na nossa campanha.” Depois de mostrar diversas vezes que não iria se engajar na campanha de Haddad, nesta sexta-feira, 29, a senadora sinalizou de forma mais clara que deve ficar de fora da briga eleitoral. Sobre o assunto, Haddad apenas afirmou: “Vou respeitar sempre a prefeita Marta.”

Veja abaixo os principais momentos da convenção.

16h35 – Termina a convenção.

16h30 – Ele termina dizendo que conta com o apoio da Câmara Municipal. “Vamos compor uma grande bancada na Câmara para ter sustentação na Câmara Municipal. E por isso ampliar as alianças no segundo turno também vai ser mto importante. Vamos substituir um governo que tem 80% de reprovação, por um com 80% de aprovação.”

16h20 – Ele comenta sobre o partido de Kassab: “Não temos nada a dizer quando o prefeito é de outro partido e faz um bom trabalho. Isso nos desafia a apresentar um programa mais ousado. Mas o prefeito que teve mais de 3 vezes o orçamento que a Marta deixou, chegar ao fim do seu governo com essa agenda anti-social, truculenta, repressiva, como se uma cidade não fosse pautada pela convivência, pelao harmonia, pela busca de paz.”.

16h15 – Haddad alfineta a atual administração: “Temos todas as condições de virar essa página de oito anos em que a cidade ficou aguardando as promessas serem cumpridas, mas não ocorreram por falta de providências da administração”.

16h10 – Haddad inicia seu discurso e diz que a disputa necessita da base de Dilma. “Queria estar com o PMDB, com o PDT, queríamos encerrar esse capítulo triste da história da cidade de SP no primeiro turno das eleições.”

16h00 – Nádia cita Lula e Dilma ao dizer que a coligação vai ganhar as eleições com dois fatores fundamentais: o programa que vão apresentar à socidade inspirado na grande transformação que Lula e Dilma estão conduzindo no Brasil. “Temos algo que nenhuma outra canditatura tem,  a nossa militância na rua, organizada e que participa de movimentos sociais. É uma militância comprometida, que sabe o que faz e está segura”.

15h59 – Nádia diz que as convenções de hoje sinalizam o caminho da vitória e cita o tempo de TV como um dos pontos importantes “para falar com o povo”.

15h55– Nadia Campeão inicia sua fala e diz que participa de convenções desde cedo, ao lado de Netinho de Paula e de Aldo Rebelo. ” Em seguida, tivemos a convenção do PSB, onde notamos a mesma vibração e disposição”.

15h50 – Antonio Donato lê, em voz alta, o nome dos 73 candidatos a vereador pelo PT confirmados para as eleições deste ano.

15h45 -Eliseu Gabriel, presidente municipal do PSB: “Na cidade de SP existe um problema grave, que a cidade foi desarticulada ao longo dos últimos anos, e chegou a um tal nível de desorganização, com o trânsito caótico, transporte público deficiente e a violência crescendo. É claro que a polícia é importante, mas a violência também está relacionada à desagregação da cidade. A cidade cresce e as comunidades vão se distanciando. Os próprio condomínios, como são feitos, de costas para as ruas, a prioridade é sempre o automóvel. Toda essa visão exclusivamente de mercado está destruindo a possibilidade de uma cidade viável. Nossa missão é rearticular, enquanto as pessoas estão de afastando, o grande objetivo de Haddad deve ser juntar novamente as comunidades e fazer que o poder público sirva ao cidadão e não só aos grandes negócios. O PSB vai fazer sua parte. Quero trazer uma mensagem de Luiza Erundinda, que disse que vai entrar na campanha (muito aplaudido aqui), ela tem muito respeito por Haddad e gostou demais a indicação da Nádia Campeão para a vice”.

15h40 – Assume a palavra Jesse Ribeiro, do PP. Venho aqui em nome de Paulo Maluf (que foi vaiado), falar que o PP dará todo o seu apoio e seu empenho para que SP tenha um prefeito sério, com ideias modernas, para resolver os problemas que são muitos nesta cidade. Antes não tinha, hoje tem, dizem por aí. Os problemas, porém, que antes tinham, ainda continuam. O PP entende q só Fernando Haddad resolverá.

15h35 – Alexandre Padilha, ministro da Saúde: “Fernando Haddad está preparado para dirigir esta cidade e liderar a nossa vitória. Mas essa responsabilidade não é so do companheiro Haddad. Essa responsabilidade é de cada partido que esta aqui, de cada militante, de cada pessoa que gosta dessa cidade. E é nosso time, junto, em cada canto dessa cidade, q vamos levar o companhiero Fernando”.

15h30 – O primeiro orador é Vander Geraldo, presidente estadual do PC do B. “Entramos nessa campanha com o compromisso de levar essa candidatura à vitória. Nós precisamos derrotar os tucanos aqui e, a partir daqui, buscar o Palácio dos Bandeirantes. Para o PC do B pesou muito isso, na avaliação conjunta com Netinho de Paula, que hoje disse que está de cabeça e alma na campanha de Fernando Haddad.”

15h20 – O vereador Antonio Donato abre o ato chamando para a mesa o presidente estadual do PC do B, Vander Geraldo, o secretário do PP, Jesse Ribeiro, o presidente municipal do PSB, Eliseu Gabriel, o ministro da Saúde Alexandre Padilha, a candidata a vice-prefeito Nádia Campeã e o candidato a prefeito Fernando Haddad. Todos foram recebidos com aplausos, à exceção de Jesse Ribeiro, recebido com misto de silêncio e vaias esparsas da plateia.

15h10 – O salão nobre da Câmara dos Vereadores está lotado, com presença maciça de militantes do PT e do PSB, que aguardam a chegada dos candidatos.


Tudo o que sabemos sobre:

eleições 2012Fernando HaddadPT

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.