As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

PSOL pede investigação contra Jaqueline Roriz na Corregedoria da Câmara

TANIA MARIA BARBOSA MARTIN

10 de março de 2011 | 15h46

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br, e Denise Madueño, da Agência Estado

O PSOL protocolou nesta quinta-feira um pedido para que a Corregedoria da Câmara investigue a conduta da deputada federal Jaqueline Roriz (PMN-DF), flagrada em vídeo, divulgado em primeira mão pelo estadão.com.br, recebendo um maço de dinheiro do delator do esquema do “mensalão do DEM”, Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do DF. Além da investigação na Corregedoria, o PSOL já anunciou que entrará com uma representação no Conselho de Ética da Casa pedindo a abertura de um processo de cassação contra a parlamentar.

Veja também:
link
OAB-DF pede cassação de Jaqueline Roriz
linkJaqueline Roriz é excluída de comissão da Reforma Política
linkManobra do Conselho de Ética da época do mensalão do PT ajuda deputada
video Arruda recebe R$ 50 mil de Durval Barbosa
video Presidente da Câmara guarda dinheiro na meia
video Deputados oram, ‘sabemos que somos falhos’
video Deputada com propina: ‘Governador perdeu as estribeiras?’

 O ofício foi protocolado pelo presidente do partido no DF, Toninho do PSOL, e pelo senador Randolfe Rodrigues (AP). O líder do partido na Câmara, Chico Alencar (RJ), assina o documento que pede investigação sobre a conduta da parlamentar e suas declarações de bens. “Uma parlamentar pega num ato daquela natureza não pode estar no convívio dos representantes do povo. Chega de corrupção. Este é o nosso grito”, disse Toninho.

 No documento protocolado nesta tarde, o PSOL pede também que se busquem informações sobre outra investigação no Ministério Público na qual Jaqueline Roriz teria sido citada como beneficiária de propina para aprovar o Plano Diretor de Ordenamento Territorial (PDOT) em 2008, quando era deputada distrital.

 Pelo trâmite regimental, o pedido do partido será encaminhado ao presidente da Câmara, Marco Maia (PT-RS). Ele analisará se o documento está dentro das regras regimentais antes de o encaminhar ao corregedor, deputado Eduardo da Fonte (PP-PE). Com o caso chegando à Corregedoria, uma investigação preliminar será feita e a Mesa Diretora decidirá se encaminha ou não um pedido de abertura de processo contra a deputada no Conselho de Ética.