As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pré-candidatos concordam em fazer ICMS único para o etanol

Jennifer Gonzales

07 de junho de 2010 | 20h38

Os pré-candidatos à Presidência da República Dilma Rousseff (PT), José Serra (PSDB) e Marina Silva (PV) participaram na noite desta segunda-feira, 7, da entrega do prêmio Top Etanol. Os três fizeram discursos mornos no evento, focando muito na importância econômica e ambiental da produção de etanol.

Ouça o discurso de José Serra

Ouça o discurso de Marina Silva

Ouça o discurso de Dilma Rousseff

De concreto, o setor conseguiu arrancar dos pré-candidatos o compromisso com uma tarifa única para o ICMS do etanol. A proposta de um imposto único de 12% para todo o País foi feita por Serra, o primeiro a falar. Ao final, Dilma também abraçou a ideia. Marina não chegou a mencionar o assunto durante o seu discurso, mas disse a jornalistas, ao final do evento, que a proposta era unânime.

O prêmio Top Etanol é uma iniciativa do Projeto Agora, que reúne diversas empresas ligadas à cadeia produtiva da cana-de-açúcar. São premiados os melhores trabalhos acadêmicos, fotográficos e jornalísticos sobre o etanol.

Dilma Rousseff

23h07 – “Sem dúvida nenhuma, nós contribuímos para dar legitimidade ao setor. Precisamos de uma integração maior entre os setores. Eu conheço o setor, tenho admiração pelo setor. Vocês podem contar comigo”

23h04 – Dilma cita Lula: “Não apontem esse dedo sujo de carvão e de petróleo para o nosso etanol limpo”.

23h02 – “O que nós queremos implantar no Brasil é a economia do etanol da cana-de-açúcar. O etanol de cana-de-açúcar tem capacidade de reduzir em até 90% a emissão de gases estufas comparado à gasolina”

23h00 – “Construímos uma parceria importante com o setor privado. Mudamos tanto o cenário nacional, como o cenário internacional. Trabalhamos para tornar o etanol um combustível conhecido no mundo.”

22h59 – “O nosso etanol é um combustível competitivo. Seja com o etanol do milho, seja com os combustíveis do petróleo”.

22h58 – “É importante que se perceba como foi importante a luta desse governo pela redução tarifária”.

22h56 – “Nós estamos esperando um crescimento significativo do etanol na matriz de combustíveis. O fato de termos encontrando o pré-sal não significa que vamos abandonar o projeto de renovar nossa matriz energética.”

22h54 – “Foi o governo Lula, em 2003, que transformou o etanol em prioridade, o que não vinha acontecendo em anos anteriores.”

22h52 – “A larga experiência do Brasil nessa área é muito importante no momento em que se discute a matriz energética, e sobretudo a matriz de combustível. Justamente essa reflexão sobre a discussão é que transformou o biocombustível uma alternativa para o mundo”.

22h51 – “Para mim o etanol sempre foi um motivo de orgulho para o Brasil.”

Marina Silva

22h46 – “Nossos produtos podem ser preferidos pelo valor ambiental, ético, social, que agregam”.

22h43 – Marina critica tentativa de alterar mudanças no código florestal. “Não tenho dúvidas, precisamos corrigir os erros. Nós já podemos ter uma produção diversificada no setor. Eu posso verificar um grande esforço do setor de nós não podemos continuar fazendo uma oposição entre o setor e o meio ambiente.”

22h41 – “Reduzimos o desmatamento, houve resistência no início, mas hoje podemos dizer que o álcool brasileiro é uma alternativa viável para o Brasil e para o mundo”.

22h39 – “Se nós formos capazes de encarar esse desafio. O que ainda é preciso fazer é que nós não podemos rodar no teste. Podemos até mudar a nossa lei. mas a lei da natureza não pode ser mudada. ”

22h37 – “Não há dúvida que o etanol é fundamental para o desenvolvimento do Brasil.”

22h36 – Marina: “A contribuição da cana-de-açúcar no desenvolvimento do Brasil sempre teve a marca do trabalho escravo ao longo da história do País.”

22h33 – Marina: “Nós estamos diante de um desafio muito grande, que é o desafio de pensar esse País, aparentemente para os próximos quatro anos. E eu digo aparentemente, porque cada vez mais nós vamos ter que nos acostumar a pensar as  políticas públicas no longo prazo.”

José Serra

22h26 – Serra: “Também avançamos muito na área de pesquisa e desenvolvimento. Porque o progresso técnico e o progresso tecnológico são cruciais”.

22h23 – Serra: “As empresas aqui em São Paulo assinaram voluntariamente o protocolo socio-ambiental. Hoje mais de 90% da produção do setor está enquadrada nesse protocolo. Esse protocolo encurtou em sete anos a redução da queimada”.

22h21 – Serra: “Acho que o governo federal tem que se jogar ativamente nessa negociação  [para reduzir os impostos sobre o etanol]. Com uma  tarifa única, os outros Estados rumarão no sentido da matriz energética de São Paulo. Quanto? É questão de se negociar. Eu defenderia os 12% mesmos de São Paulo.”

22h17 – Serra critica o mito de que o etanol possa aumentar a fome no mundo. Tucano cita São Paulo, Estado líder na produção de etanol, onde se reduziu o ICMS para o etanol.

22h16 – Serra: “Sem fazer lance de campanha, o Brasil pode muito mais no sentido de criar um mercado mundial para o etanol”.

22h14 – Serra: “É indiscutível a contribuição que tem o etanol para diminuir a poluição em nosso País. O etanol é mais limpo, não apenas em gás de efeito estufa, como também nos outros componentes de gases poluidores”.

22h09 – Pré-candidatos devem tentar responder às questões sobre como cada um vê o papel do biocombustível e da bioeletrecidade no desenvolvimento do País e que modelo de política pública pretende aplicar.

Outros discursos

22h06 – Jank: “[A cana] colocou o nosso País na vanguarda do planeta no campo da substituição de petróleo e do combate às mudanças do clima.”

21h53 – O discurso do presidente da Unica, Marcos Jank, deixa de lado as questões políticas da produção do etanol para focar nos benefícios do etanol diante do meio ambiente. “Enquanto o petróleo é cada vez mais escasso e o maior responsável pela emissão de gases de efeito estufa, o teanol é renovável, reduzindo fortemente as emissões em relação à gasolina”, afirmou.

21h49 – Perina cobra também “uma definição mais objetiva e transparente do significado de ‘condições análogas pa de escravo'” “Hoje predomina  a subjetividade  e o arbítrio nas fiscalizações”, afirmou.

21h48 – Perina: ‘É intolerável continuarmos a assistir a complacência do poder público com invasões de propriedades rurais produtivas no Brasil’.

21h47 – Ismael Perina, da Orplana (Organização dos Plantadores de Cana da Região Centro-Sul) faz uma exposição sobre questões do setor. Pede o fim das invasões no campo, legislação trabalhista voltada para o campo e uma solução definitiva para o embate que se criou entre a agricultura e o meio ambiente.

21h39 – Pré-candidatos são anunciados e recebem um documento de posicionamento sucroenergético.

21h22 – A repórter do ‘Estado’ Raquel Landim foi premiada na categoria jornalismo impresso pela reportagem ‘A arma secreta do etanol brasileiro’. O fotógrafo Evelson de Freitas recebeu menção honrosa pela foto ‘Ouro Branco’.

20h58 – No momento acontece a entrega dos prêmios aos agraciados. Os discursos dos presidenciáveis ainda deve demorar um pouco.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: