Pré-candidatos à Presidência da República fazem primeiro debate em Minas Gerais
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pré-candidatos à Presidência da República fazem primeiro debate em Minas Gerais

Camila Tuchlinski

06 Maio 2010 | 16h32

Por Rodrigo Alvares

Dilma Rousseff (PT-RS), Marina Silva (PV-AC) e José Serra (PSDB-SP) se reuniram na tarde desta quinta-feira para o primeiro debate entre eles, durante o 27º Congresso Mineiro de Municípios, cuja tema é “Autonomia Municipal”. Na abertura da discussão, Dilma enfatizou as ações do governo Lula – como obras de saneamento – voltadas para o presente e o futuro do Brasil. Ao tomar a palavra, Marina Silva agradeceu a Deus por estar no encontro.

serradilma

Plateia começou a vaiar Dilma depois que Serra contou que ela torce para o Atlético-MG. Foto: Emmanuel Pinheiro

O ex-governador de São Paulo José Serra citou problemas tributários em Sao Paulo e deu uma alfinetada na petista: “Eu concorri três vezes à Prefeitura de São Paulo e perdi duas”. Depois, comentou: “Tudo o que puder pode ser feito nos municípios. Fizemos redistribuição forte nos municípios”.

Na segunda parte, Dilma enfatizou mais ações do governo – Territórios da Cidadania e PAC – para deixar clara a preocupação do governo com os municípios menores, além dos incentivos às cidades. Logo depois, Serra declarou: “O debate aqui não é um Fla-Flu, nem um Cruzeiro x Atlético-MG”.

A plateia começou a vaiar Dilma depois que o tucano contou que ela é atleticana, e Serra disparou: “Pela primeira vez  a Dilma tem razão: esses incentivos ajudaram os municípios. Devemos criar mecanismo de reposição de perdas”.

Marina defendeu a ideia do senador Pedro Simon (PMDB-RS) para se criar uma Constituinte “necessária para realizar as reformas no País”. O debate foi interrompido por alguns minutos devido ao protesto de um ex-prefeito que estava entre os participantes, que gritava palavras de ordem sobre a gestão de Saúde no Brasil.

“Se fosse fácil, a reforma tributária estaria feita”, declarou Marina Silva. Para a ex-senadora, “quem está na oposição, impede a reforma tributária”. “Precisamos acreditar na ética dos valores. Tentamos governar sozinhos no PT, sem dialogar com PSDB e acabamos com o pior do PMDB”. “Se eu for eleito, vou querer tanto o PT como o PV no meu governo. O Brasil vai precisar estar junto nos próximos anos”, afirmou Serra. “A pressão sobre a questão tributária é intolarável. Precisamos de mecanismo de curto prazo”, acrescentou o ex-governador.

Para Dilma Rousseff, “os desafios do Brasil são sempre difíceis. Reforma tributária é algo que podemos fazer”. “Eu não acredito em reforma tributária que não discuta compensação. A melhor coisa do governo do presidente Lula é sempre dialogar”.

No início da última parte do debate, Serra reforçou a intenção de fazer parcerias com os municípios e acrescentou que “é preciso diminuir os gastos do governo”. “Uma das coisas mais estratégicas que tem é parceria. E eu aprendi isso fazendo. Aprendemos muito fazendo o PAC 1”, falou Dilma.

“Estamos à beira de um apagão de recursos humanos”, acusou Marina. Temos falta de engenheiros, agrônomos e tem gente que se orgulha disso”. “Nós temos um grande desafio pela frente em relação à Educação”, disse. Nas considerações finais, a ex-senadora disse que o debate “foi um bom ensaio”. “Precisamos ter uma nova gestão pública com controles sociais”, finalizou.

Em sua última participação no encontro, Dilma afirma que “a grande questão do pré-sal é que são recursos que sabemos onde estão”. “Esse dinheiro vai para o fundo social, que envolve ciência, educação e tecnologia”, disse. “Apagão de recursos humanos, e nisso a Marina tá certa, aconteceu por causa de gestões anteriores”.

“Quero fazer um reconhecimento para a Dilma, que não fez nenhuma discriminação ao meu Estado quando eu fui governador e prefeito. Assim como tem prefeito do PT que me elogia. Mas podem deixar que não vou usar isso na campanha”, declarou Serra, que também “deu crédito” ao PMDB histórico. “Estou convencido de que não só o Brasil pode mais, como os municípios também podem e vão receber mais”, finalizou.

Ao final do debate, o jornalista Fernando Mitre – que foi o mediador – anunciou que o primeiro debate na TV aberta entre os candidatos será realizado na TV Bandeirantes no dia 5 de agosto.

Leia mais:

Em MG, professores protestam contra Anastasia na chegada de Serra a congresso

Atualizado às 17h57