As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Polícia Federal prende suspeitos de fraude de licitações em 36 cidades mineiras

Paula Carvalho

21 de junho de 2012 | 17h10

do estadão.com.br

A Polícia Federal desarticulou nesta quinta-feira, 21, uma operação que fraudava licitações para desviar recursos públicos em 36 cidades mineiras. Dezesseis pessoas foram presas e 49 tiveram os bens confiscados.

A quadrilha era formada por empresas, servidores públicos e pessoas físicas. Eles direcionavam o ganho de contratos públicos às empresas ligadas ao esquema, que emitiam notas fiscais de serviços não prestados e desviavam recursos da execução das obras.

Segundo a PF, entre os presos estão o empresário Evandro Leite Garcia, de 64 anos, proprietário de três empreiteiras com sede em Montes Claros, e a mulher dele, Maria das Graças Garcia. O empresário, preso na casa onde mora que ocupa um quarteirão no município, é acusado de comandar o esquema, por meio do qual o grupo direcionava licitações com a participação de funcionários das prefeituras investigadas para que os certames fossem vencidos pelas empresas “integrantes da organização criminosa”.

Ainda de acordo com a PF, para desviar os recursos, o esquema envolvia uso de notas fiscais frias para justificar obras não realizadas e “sem a correspondente prestação dos serviços”, superfaturamento de preços, execução de obras com material de qualidade inferior em áreas menores que os previstos nas licitações. A polícia apurou que as fraudes foram realizadas em mais de 100 contratos fechados pelas empresas de Garcia com os municípios e o esquema foi comprovado por meio de escutas telefônicas, vídeos e fotos.

Sedes de 39 prefeituras do norte de Minas Gerais e pessoas jurídicas também estão sendo investigadas, através de mandatos de busca e apreensão. A operação, denominada Máscara da Sanidade, foi deflagrada em conjunto com o Ministério Público de Minas Gerais.

Os presos responderão por crimes contra a administração pública, por formação de quadrilha, falsidade ideológica e lavagem de dinheiro. As penas máximas dos crimes, caso sejam condenados, podem exceder 30 anos.

Os agentes também executaram mandados de busca e apreensão nas sedes das prefeituras de Bocaiúva, Bonito de Minas, Brasília de Minas, Campo Azul, Capelinha, Capitão Enéas, Claro dos Poções, Cônego Marinho, Coração de Jesus, Engenheiro Navarro, Francisco Sá, Glaucilândia, Guaraciama, Indaiabira, Itamarandiba, Januária, Joaquim Felício, Josenópolis, Manga, Mato Verde, Olhos D’água, Padre Carvalho, Pai Pedro, Patis, Pedras de Maria da Cruz, Pirapora, Porteirinha, Salinas, Santa Cruz de Salinas, Santo Antônio do Retiro, São Francisco, São João da Ponte, São João das Missões, Taiobeiras, Ubaí e Varzelândia.

Tudo o que sabemos sobre:

Fraude em licitaçõesMGMinas Gerais

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.