As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pianista abre cerimônia de lançamento da pré-candidatura de Campos e Marina

Lilian Venturini

14 de abril de 2014 | 15h03

Daiene Cardoso

Brasília – Começou nesta tarde o evento de lançamento da pré-candidatura à Presidência da República do ex-governador de Pernambuco, Eduardo Campos, e da ex-senadora Marina Silva. Lideranças do PSB e da Rede Sustentabilidade estão reunidos neste momento em um hotel de Brasília.

O pianista Arthur Moreira Lima faz uma apresentação para os militantes, que lotam um dos auditórios do Hotel Nacional à espera dos pré-candidatos. O evento deve durar três horas. Ao final, Campos e Marina participarão de um chat, onde responderão por uma hora e meia às perguntas do internautas.

Campos espera que a aliança lhe traga parte dos 19,6 milhões de votos que Marina teve na eleição de 2010, quando concorreu a presidente pelo PV. Até o momento, porém, não há sinal de transferência de votos – o candidato do PSB não subiu nas pesquisas desde que Marina lhe declarou apoio, em outubro de 2013, após fracassar na tentativa de criar um partido para voltar a concorrer à Presidência.

Segundo o Ibope, Eduardo Campos tinha 10% das intenções de votos em outubro e caiu para 7% em março deste ano. Ao avaliar as chances eleitorais da própria Marina, o instituto verificou um declínio ainda mais acentuado: 21% em outubro e 12% no mês passado.

Marina, porém, tem como trunfo o fato de se apresentar como proponente de uma “nova política”, alinhada às expectativas de renovação demonstradas pelas manifestações de rua do ano passado. Ela também é forte no eleitorado evangélico, parcela cada vez mais influente no panorama político.

Ao não conseguir as assinaturas necessárias para criar seu próprio partido, a Rede Sustentabilidade, Marina surpreendeu o mundo político ao se filiar ao PSB, em outubro do ano passado. Outros organizadores da Rede seguiram seus passos, mas nem por isso há alinhamento total entre o grupo e o PSB.

Apesar de não estar formalizada como partido, a Rede lançará candidatos abrigados em outras legendas e apoiará aliados em disputas estaduais. Levantamento feito pelo Estado mostra que, por enquanto, PSB e Rede só estão juntos em 13 unidades da Federação.

Mais conteúdo sobre:

Eduardo CamposEleiçõesMarina Silva