As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Pela primeira vez, Dia da Consciência Negra será comemorado oficialmente no País

Jennifer Gonzales

16 de novembro de 2011 | 23h04

Roldão Arruda, de O Estado de S.Paulo

O próximo domingo será comemorado oficialmente, pela primeira vez, como Dia Nacional de Zumbi e da Consciência Negra. A lei que institui a comemoração foi sancionada na semana passada pela presidente Dilma Rousseff. Ao assinar o documento, ela ignorou uma antiga reivindicação do movimento negro para que incluísse a data no calendário dos feriados oficiais da República.

O projeto original de criação do Dia Nacional de Zumbi foi apresentado em 2003 pela senadora Serys Slhessarenko (PT-MT), que é descendente de ucranianos. Ao tramitar pela Câmara, um substitutivo propôs a inclusão da data na relação de feriados nacionais. Mas no retorno ao Senado, onde existe apenas um parlamentar negro, o gaúcho Paulo Paim (PT), a ideia foi rejeitada.

No Planalto, Dilma preferiu não alterar o projeto, mantendo a ideia de comemorar da data, mas sem parar o País. Em mais de duas centenas de cidades, porém, a data já é considerada como feriado.

Até o início da década de 1970, a principal comemoração relativa ao fim da escravidão no Brasil era o 13 de Maio – data em que a princesa Isabel assinou a chamada Lei Áurea, extinguindo oficialmente a escravidão. Em 1971, porém, em plena ditadura militar, um grupo de militantes negros do Rio Grande do Sul, decidiu que a melhor data seria a da possível morte de Zumbi dos Palmares, em 1695.

Zumbi morreu em combate, após comandar durante mais de uma década um movimento de resistência contra a escravidão. Chegou a reunir milhares de rebeldes no Quilombo dos Palmares, em Alagoas.

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.