As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Para Semeghini, vereadores dissidentes usam de ‘desculpas’ para migrar para o PSD

Armando Fávaro

18 de abril de 2011 | 19h20

O presidente municipal do PSDB de São Paulo, secretário estadual Julio Semeghini, divulgou nota nesta segunda-feira, 18, acusando os vereadores dissidentes do partido de “criarem dificuldades” contra o fechamento de um acordo para a formação da executiva municipal. Segundo a tese do presidente tucano, alguns dos representantes do partido na Câmara Municipal “estão se aproveitando” do momento para “deixar o PSDB”.

Semeghini, que é secretário de Gestão Pública afirma ainda que alguns dos vereadores “sempre trabalharam para inviabilizar qualquer acordo partidário”. “Fica claro, agora, não ser apenas coincidência que o anúncio coletivo de debandada aconteça simultaneamente à criação de um novo partido”, acrescenta, em clara referência à criação do PSD pelo prefeito Gilberto Kassab.

Ainda de acordo com o presidente tucano, que é ligado o governador Geraldo Alckmin, seu grupo teria acatado “100%” das reivindicações do vereadores, “inclusive o cargo de secretário-geral” do partido.

Leia a íntegra da nota divulgada pela assessoria do partido.

“Durante todo o processo de consolidação do acordo para a formação da executiva municipal do PSDB, mantive diálogo constante com os representantes do partido na Câmara Municipal. O acordo feito atende 100% de suas reivindicações – inclusive o cargo de secretário-geral – continua valendo e, independentemente das possíveis saídas dos vereadores do PSDB, será ratificado.

Em todos os momentos importantes para o PSDB, a bancada contou com meu apoio. Na própria eleição para a presidência da Câmara, apoiamos o “fechamento de questão” para a eleição do vereador Police Neto.

Lamentavelmente, alguns estão se aproveitando desse momento tão importante para criar dificuldades e usando “desculpas pessoais” para deixar o PSDB. Em diversos momentos pude perceber que, mesmo diante dos esforços do líder da bancada e de outros vereadores, alguns sempre trabalharam para inviabilizar qualquer acordo partidário. Fica claro, agora, não ser apenas coincidência que o anúncio coletivo de debandada aconteça simultaneamente à criação de um novo partido. É uma pena.

Estão confundindo partido político com sigla partidária.

Julio Semeghini

Presidente do Diretório Municipal do PSDB em São Paulo”

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.