Para oposição, “PAC 2 é um programa tão pretensioso quanto o primeiro”
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Para oposição, “PAC 2 é um programa tão pretensioso quanto o primeiro”

Camila Tuchlinski

29 de março de 2010 | 19h28

pac

“Se o 1º programa está empacado, para que lançar o 2º?”. Foto: Wilson Pedrosa/AE

NOTA OFICIAL DOS PRESIDENTES DO DEM, PSDB E PPS

Pantomima eleitoral

Sob lágrimas e promessas de fazer até o que cabe a governos estaduais e municipais, atuais e futuros, a candidata do governo, Dilma Rousseff com pompa e circunstância, anunciou o PAC 2, um programa tão pretensioso quanto o primeiro, o PAC 1, que três anos depois de ser lançado tem menos que 54% dormindo em gavetas da burocracia, sem sequer sair do papel.

Para se ter uma idéia do quanto o discurso não tem relação com a realidade, apenas 11% das obras do PAC 1 foram concluídas, sendo que nos estados do Nordeste, região mais necessitada de obras de infra-estrutura, essa percentagem cai para 4%. Seria demais perguntar, se o primeiro programa está empacado, para que lançar o segundo? Não é o caso de terminar o começado?

Fosse verdadeiramente desejo do governo melhorar as precárias condições de nossa infraestrutura, a resposta óbvia seria sim. Mas não é o caso do governo Lula e de sua candidata. O PAC 2 é mera peça de campanha eleitoral, movida às custas do contribuinte brasileiro. Cerca de 60% das obras inauguradas pelo governo nem mesmo estavam prontas.

Fica claro que não existe compromisso algum com o país. Passada a caravana do governo e de sua candidata; terminada a sessão de auto-elogios do presidente, das críticas aos adversários e da imprensa; findo o comício em que a candidata e seu cicerone pedem voto de forma escancarada, afrontando a Justiça eleitoral, depois que as emissoras de TV filmam, as de rádio e os jornais fazem entrevistas, o palanque é desfeito e tudo volta a ser como antes.

Quem acredita que existe perspectiva de conclusão do que naquele palavrório foi prometido corre o altíssimo risco de se cansar de esperar, se frustrar e concluir que obras não virão dessa pantomima eleitoral.

A responsabilidade direta por esse fiasco gerencial cabe à ministra Dilma Rouseff, chefe da casa Civil, apresentada ao país como a mãe do PAC.

No afã de arranjar-lhe uma bandeira eleitoral, o Presidente da República na verdade passou-lhe um atestado de incompetência administrativa.

Roberto Freire – Presidente Nacional do PPS

Senador Sérgio Guerra – Presidente Nacional do PSDB

Deputado Rodrigo Maia – Presidente Nacional do DEM

Brasília, 29 de março de 2010.

Mais conteúdo sobre:

DEMDilmaLulaPACPPSPSDB