Para Marta, eleição de Dilma foi ‘maior mudança’ desde direito a voto
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Para Marta, eleição de Dilma foi ‘maior mudança’ desde direito a voto

Lilian Venturini

10 de fevereiro de 2014 | 12h57

O Estado de S. Paulo

Para a ministra da Cultura, Marta Suplicy (PT), a eleição de uma mulher para Presidência do Brasil foi a “grande mudança” no País desde a conquista do direito a voto. Em entrevista ao The Observer, associado ao jornal britânico The Guardian, publicada nesse domingo, 9, a ministra destacou as influências na política e na pauta dos direitos da mulher com a chegada da presidente Dilma Rousseff ao Planalto.

A entrevista abre uma série de reportagens sobre mulheres na política. À publicação, Marta enumerou ações da presidente que garantiram mais espaço às mulheres na administração federal, a exemplo da nomeação de mulheres em seu gabinete e da indicação da Maria das Graças Silva Foster para a presidência da Petrobrás. “Ela me fez a vice-presidente do Senado”, completou Marta, em referência ao seu mandato na Casa em 2011. Foi a primeira vez que uma mulher ocupou o cargo.

Marta afirmou também que chegada de Dilma à Presidência serve de inspiração para as jovens brasileiras, que agora pensam em desempenhar funções antes atribuídas apenas aos homens.

A reportagem lembra, porém, a baixa representação feminina existente no Congresso. A atual ministra reconhece que questões culturais ainda afastam as mulheres da participação política, mas afirma que passos importantes já foram dados para reverter essa situação, como o estabelecimento de cotas femininas dentro dos partidos.

A reportagem registrou ainda a trajetória de Marta como psicóloga e como apresentadora de televisão, além de seu envolvimento com o movimento pelos direitos homossexuais.

Tudo o que sabemos sobre:

Marta Suplicy

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.