As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palanque – Um giro pelas campanhas eleitorais

Jennifer Gonzales

11 de junho de 2010 | 21h00

Por Luciana Nunes Leal

BRASIL

PMDB que rejeita Dilma pede respeito às dissidências

O PMDB contrário à aliança com Dilma Rousseff sabe que sairá derrotado, neste sábado, 12, da convenção do partido. Agora, espera que a direção nacional não dificulte a vida dos aliados de José Serra, como o candidato ao Senado Orestes Quércia (SP), o senador Jarbas Vasconcelos (PE) e o governador André Puccinelli (MS). Os gaúchos deverão votar a favor da coligação com o PT, para evitar conflito com o presidente do PMDB e vice de Dilma, Michel Temer, mas tendem a ficar neutros na disputa presidencial. “O importante é a unidade do partido no Estado. Não deixo de estranhar que o PMDB nacional tenha pressionado tanto para que o PT não tivesse candidato a governador em Minas Gerais e não tenha feito o mesmo no Rio Grande do Sul”, queixa-se o peemedebista José Fogaça (foto), que disputa o governo gaúcho com o petista Tarso Genro.

 QUANTO CUSTA

PSDB vai negociar com fornecedores

Passada a convenção que lançará José Serra candidato, neste sábado, os responsáveis pela arrecadação de recursos têm uma missão imediata: “negociar fortemente” com fornecedores para diminuir custos. Vão pedir orçamentos “mais realistas” e também baixar as expectativas dos candidatos em relação à propaganda. Os tucanos concluíram que, apesar da previsão de gastos de R$ 250 milhões, dificilmente arrecadarão mais de R$ 200 milhões.

SÃO PAULO

Como nos tempos de Mário Covas

Será inaugurada, na próxima quinta-feira, 17, a casa onde vai trabalhar a equipe responsável pelo programa de governo de Geraldo Alckmin, no Alto de Pinheiros. Levará o nome de Mário Covas. É o mesmo imóvel onde funcionou o comitê do então governador, na campanha da reeleição, em 1998. Domingo, 13, na convenção que vai oficializar sua candidatura, Alckmin pretende enfatizar a ideia do “avanço permanente”, em referência aos quase 16 anos de administração tucana no Estado e lembrar as dificuldades enfrentadas por Covas no início do primeiro mandato, em 1995.

AMAZONAS

PT apoia PR e devolve cargos

O PT vai desocupar os cargos que ocupa no governo Omar Aziz (PMN). Na semana passada, os petistas decidiram apoiar o ex-ministro Alfredo Nascimento (PR). Candidato à reeleição, Aziz diz que não cobrará a devolução dos cargos.

SERGIPE

Um tucano entre petistas

No palanque do presidente Lula e aliados, em Aracaju, na última quinta-feira, estava o deputado tucano Albano Franco. Disse que recebeu um convite por escrito do Planalto.

NOVELA TUCANA

“Não fui contatado por ninguém, convidado por ninguém, sondado por ninguém (para ser vice de José Serra). Trato da minha campanha para deputado federal.”

JOSÉ CARLOS ALELUIA
DEPUTADO (DEM-BA)

Colaboração: Ana Paula Scinocca, Tânia Monteiro e Liege Albuquerque

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: