Palanque – Um giro pelas campanhas eleitorais
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palanque – Um giro pelas campanhas eleitorais

Ricardo Chapola

06 de setembro de 2010 | 20h13

Luciana Nunes Leal

MINAS GERAIS

À espera de Lula, Costa tem ajuda discreta de Pimentel

Com uma candidatura quase autônoma ao Senado, o petista Fernando Pimentel (foto) gravou ontem depoimento para o programa de TV do candidato ao governo Hélio Costa (PMDB), que tenta reagir ao crescimento de Antonio Anastasia (PSDB). Segundo aliados, Pimentel deu “uma ajuda”, mas não vai “entrar de sola” na campanha de Costa, até por acreditar que “quem faz a diferença é o Lula”. O presidente desembarca amanhã em Betim, empenhado em evitar a vitória dos adversários no segundo maior colégio eleitoral do País. No caminho contrário, José Serra (PSDB) busca tirar proveito da boa fase dos tucanos mineiros. Minas é a grande preocupação de Serra, depois de São Paulo, onde o candidato perde terreno para Dilma Rousseff (PT). Com Serra em desvantagem nos dois Estados, não há como pensar em segundo turno, dizem os tucanos.

BRASIL

A estratégia do fato consumado

Apesar do constrangimento por filiados ao PT terem participado diretamente da violação de dados fiscais sigilosos, aliados de Dilma Rousseff confiam no “efeito eleitoral zero” e se voltam para um novo formato dos comícios. A ideia é, de maneira crescente, apresentá-la como vitoriosa. “Hoje, ela é a quase presidente. Daqui a dez dias, será a presidente eleita. Na véspera da eleição, a futura presidente. Os candidatos aliados dirão que estão ao lado da sucessora do Lula”, diz um petista.

ALAGOAS

Na corda bamba

Roberto Jefferson aumentou as críticas públicas ao aliado José Serra porque detectou o risco de perder a presidência do PTB, se prosseguisse a insatisfação de petebistas pró-Dilma, como o ex-presidente Fernando Collor, candidato ao governo alagoano. Collor reclamou por Serra ter desenterrado o episódio que envolveu a filha do presidente Lula, Lurian, na campanha de 1989. “Não quero Collor magoado comigo. Se isso continuar, eles me derrubam”, afirma Jefferson.

RIO

Convidados especiais

Afastado de Serra, o candidato ao Senado Cesar Maia (DEM) levou para o programa de TV os tucanos Aécio Neves e Geraldo Alckmin. Quer mostrar afinidade com líderes que terão destaque na oposição a partir de 2011.

SOBE & DESCE

Bate-boca

 seta_cima-2   Ataques sem fim

Petistas e tucanos trocam provocações sobre o acesso ilegal à declaração de renda da filha de José Serra, Verônica, esperando algum efeito favorável nas pesquisas eleitorais.

 

Sigilo fiscal

seta_baixoAcesso liberado

Até o presidente Lula, fazendo graça, perguntou onde está “o tal sigilo”. Não está em lugar algum, sabe-se agora, depois das informações sobre acessos seguidos a dados confidenciais.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.