As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palanque – Um giro pelas campanhas eleitorais

Jennifer Gonzales

19 de agosto de 2010 | 17h43

Luciana Nunes Leal

BRASIL1

Propaganda na TV agrada a petistas e irrita tucanos

Enquanto os petistas comemoravam nesta quarta-feira, 18, a estreia de Dilma Rousseff na propaganda da TV, aliados de José Serra pensavam em uma forma de explorar dois pontos do programa adversário. Para os tucanos, o uso da imagem de Dilma com o cachorro Nego, herdado do deputado cassado José Dirceu, é a deixa para relembrar o escândalo do mensalão, que tirou do governo o então chefe da Casa Civil. Outra ideia é dar uma resposta ao “jingle despedida”, cantado como se o presidente Lula desse um recado a Dilma: “Deixo em tuas mãos o meu povo e tudo que mais amei/ Porque sei que vais continuar o que fiz.” Os petistas, irônicos, dizem que o PSDB está perdido com a boa fase da campanha do PT. O deputado Jutahy Junior (PSDB-BA), porém, fala sério sobre o jingle petista. “É o coronelismo eletrônico messiânico.”

SÃO PAULO

Máquina de calcular

Os tucanos continuam a fazer contas, apesar da liderança de Dilma Rousseff nas pesquisas. Dizem que José Serra voltará a ter chances de vitória se garantir uma vantagem maior sobre Dilma Rousseff em São Paulo, em número de votos, do que a liderança da petista no Rio e em Minas Gerais. O eleitorado paulista é maior que o mineiro e o fluminense juntos. Os mais otimistas ainda sonham com uma vitória de Serra em Minas. E não há nenhuma esperança em relação ao Rio, onde o governador Sérgio Cabral (PMDB), aliado da petista, caminha para a vitória no primeiro turno.

SERGIPE

Dissidente e compreensivo

Aliados de João Alves (DEM), candidato ao governo em coligação com o PSDB, apelidaram o tucano Albano Franco de “fique à vontade”. É a resposta frequente de Albano para os eleitores que prometem votar nele para o Senado, mas que preferem o atual governador, Marcelo Déda (PT), a João Alves. O próprio Albano é mais próximo do petista e não pede votos para o democrata. Na quarta,  porém, o assunto no Estado era o atentado contra o presidente do TRE, Luiz Mendonça, que foi secretário de Segurança do ex-governador João Alves e deixou o cargo ao se tornar desembargador.

BRASIL2

Programa para a insônia

Na noite de terça, um amigo ligou para comentar com Serra o horário eleitoral gratuito na TV. O tucano não tinha visto. Ficou de assistir na madrugada.

BRASIL3

Segurança reforçada

Petistas discutem como evitar tumultos nas caminhadas de Dilma Rousseff, como os que aconteceram em Porto Alegre e Brasília. Na quarta, ficaram preocupados com a confusão provocada por manifestantes hostis aos políticos, depois do debate de presidenciáveis no teatro Tuca.

SOBE & DESCE

seta_cima (2)Fotografia

Álbum de família

Nos primeiros programas de TV, candidatos recorrem ao velho truque de mostrar fotos quando bebês, crianças e adolescentes, enquanto apresentam suas trajetórias.

seta_baixoInovação

Fórmulas antigas

Belas imagens, depoimentos emocionados, caminhadas em bairros pobres e todos os jingles dão a sensação de que tudo já foi visto nos horários eleitorais de campanhas passadas.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: