As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palanque – Um giro pelas campanhas eleitorais

Jennifer Gonzales

14 de agosto de 2010 | 13h56

Luciana Nunes Leal

BRASIL1

Tucanos não sabem como ‘desconstruir’ adversária

Com poucas esperanças de chegarem ao início da propaganda na TV empatados com Dilma Rousseff, os tucanos ainda procuram a fórmula do que consideram essencial para alavancar a candidatura de José Serra: desqualificar a petista e mostrar que ela “não se sustenta” sem o presidente Lula. Para os aliados, Serra, apesar da vantagem de Dilma nas pesquisas, não deve mudar o estilo nem o discurso. Também não veem motivos para grandes alterações no roteiro de viagens, coordenado pela senadora Marisa Serrano. A saída, afirmam, é traçar um cenário negativo de um possível governo da ex-ministra. Em outra frente, procuram um meio de enfrentar a “acomodação” dos simpatizantes. A percepção é que os eleitores de Serra não estão mobilizados para conquistar novos votos e não embarcaram no discurso anti-Dilma.

MINAS GERAIS

Torcida sob pagamento

Preparado para uma possível subida de Antonio Anastasia (PSDB), o comando da campanha de Hélio Costa (PMDB) ficou aliviado com a manutenção da ampla vantagem sobre o tucano, revelada pelo Datafolha. A estratégia de valorização da aliança com o presidente Lula e a superexposição do candidato a vice Patrus Ananias permanece. O PSDB investe na propaganda de rua. No debate da Band, havia 250 cabos eleitorais de Costa na porta da emissora e pelo menos o dobro de pessoas do lado tucano. “Não temos dinheiro para contratar mais gente”, disse um peemedebista.

 

PERNAMBUCO

Fora de forma

Fazia 18 anos que o candidato do PMDB ao governo, Jarbas Vasconcelos, não participava de um debate eleitoral na TV. Em 1992, foi eleito prefeito de Recife, depois de romper com o PSB do atual governador Eduardo Campos, candidato à reeleição e favorito nas pesquisas.

 

BRASIL2

O candidato anti-Senado

Plínio de Arruda Sampaio surpreendeu até os companheiros do PSOL ao propor o fim do Senado. Esclareceu ser uma posição pessoal, não partidária.

 

RIO

‘Falem mal, mas falem de mim’

Cesar Maia (DEM) agradeceu por ter sido citado “14 ou 15 vezes” no debate da Band. Na maioria das vezes, porém, foi atacado. Cobrado por eleitores pela “ausência” no confronto, Maia teve de explicar que disputa o Senado e não o governo.

 SANTA CATARINA

Temer faz as contas

O presidente do PMDB e candidato a vice de Dilma Rousseff, Michel Temer, acredita ter freado o movimento pró-Serra no Estado. “Setenta por cento do partido está com Dilma”, diz.

 IMORTAIS

“Esta Casa é apolítica, apartidária. Em matéria de eleição, já nos basta a eleição acadêmica.”

MARCOS VILAÇA

PRESIDENTE DA ACADEMIA BRASILEIRA DE LETRAS

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: