As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Palanque – Um giro pelas campanhas eleitorais

Jennifer Gonzales

23 Julho 2010 | 21h22

Por Luciana Nunes Leal

BRASIL1

Empate desejado

Um integrante do núcleo da campanha de José Serra diz que um empate do candidato com Dilma Rousseff nas pesquisas seria um “bom cenário” para o início da propaganda eleitoral na TV, em 17 de agosto, pois começariam em condição de igualdade a “campanha para valer”. Os tucanos duvidam dos resultados que apontam Dilma na frente de Serra, como o da pesquisa Vox Populi divulgada nesta sexta-feira, 23, e têm expectativa de manutenção do empate técnico em outros levantamentos.

BRASIL2

Lula na TV

O presidente Lula vai apresentar Dilma Rousseff, contando detalhes da vida da ex-ministra, nos primeiros programas de TV da candidata. Para as propagandas estaduais, o critério de participação de Lula será o seguinte: onde houver apenas um candidato governista, a presença é certa. Quando tiver mais de um aliado na disputa, Lula vai observar o comportamento dos não-petistas. Quem não estiver de fato empenhado por Dilma não terá depoimento do presidente.

RIO

Em cima da hora

A caminhada de José Serra na Taquara (zona oeste), quarta-feira passada, foi decidida na tarde daquele mesmo dia, quando o candidato visitava o Comitê Olímpico Brasileiro. Os deputados Otávio Leite e Índio da Costa, candidato a vice, saíram correndo para preparar material e reunir cabos eleitorais.

BRASIL3

PT faz as contas

Petistas justificam com números as concessões feitas a aliados nos Estados. A atual coligação, de dez legendas, é a maior feita pelo PT em eleições presidenciais. Em 1989, a aliança tinha três partidos. Em 1994, seis. Nas demais disputas, cinco.

PARANÁ

Linha dura

O PPS cobrou empenho das lideranças municipais nas campanhas dos tucanos Beto Richa e José Serra. Os dissidentes correm o risco de não ter legenda para se candidatar em 2012.

EXPEDIENTE
“Estou no horário de almoço e posso falar mais abertamente. É uma loucura, mas falar sobre política quase virou crime.”
EDUARDO PAES
PREFEITO DO RIO (PMDB)