As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os conselhos amorosos de Paulo Maluf

Jennifer Gonzales

28 de julho de 2011 | 17h11

Jair Stangler, do estadão.com.br

O deputado federal Paulo Maluf (PP-SP) foi um dos convidados do programa de Ronnie Von na TV Gazeta que foi ao ar na noite da quarta-feira, 27. O outro convidado foi o apresentador Max Fivelinha. Os dois participaram do quadro Conselheiro Sentimental.

Maluf falou, entre outras coisas, sobre como era o namoro na sua época. Segundo ele, quando era jovem, “namoro era uma coisa mais séria, para casar”. Por isso, explica, havia naquele tempo, a “casa civil” e a “casa militar”. Para ele, as coisas evoluíram desde então.

A uma telespectadora que contou estar há 23 anos com seu marido e disse já ter tentado se separar três vezes, Maluf disse já estar casado há 56 anos com a mesma mulher e ensinou que o casamento “é uma união em que você tem que ter maleabilidade. Você tem que ceder em algumas coisas que não são tão importantes.” E ainda fez graça: “Minha mulher diz o seguinte: mudar de marido, é mudar de defeito.” E termina com o conselho: “Tenta a quarta vez e não briga de novo.”

Nesse primeiro caso, os dois convidados concordaram. Quanto ao segundo caso, uma telespectadora que disse não amar mais o marido, os dois discordaram. Max afirmou que o casamento da telespectadora já devia ter acabado há tempo, enquanto Maluf defendeu que os dois continuassem tentando, embora visse como “defeito” que o marido da história não quisesse ter filhos.

Max Fivelinha defendeu o direito de uma mulher, citada por um telespectador, “olhar para o lado”. Ao mesmo telespectador, Maluf disse que “o ciúme é uma forma de amor”. A um jovem que acha que nunca vai ter namorada, Maluf ensina: “vá para as baladas”. Já Max Fivelinha raciocina: “se ele realmente gosta de mulher, um dia ele vai arrumar uma namorada”.

Assista ao programa na íntegra:

Tudo o que sabemos sobre:

Max FivelinhaPaulo MalufTV

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.