As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Os bens dos candidatos no DF

Armando Fávaro

09 de abril de 2010 | 18h24

Por Carol Pires, de Brasília

As fichas de inscrição dos candidatos a eleição indireta do Distrito Federal, publicada ontem pelo Diário Oficial da Câmara Legislativa,  revela um pouco do perfil de cada postulante a sucessor de José Roberto Arruda no governo da capital. Os candidatos representam o PT, PC do B, PR, PSL-PTN, PV, PMDB, PRTB, PSDC, PTB e PMDB.

Wilson Lima, o atual governador interino, quer se eleger governador tampão pelo PR. Na ficha de inscrição, o histórico escolar do primeiro semestre do curso de Música na Universidade de Brasília (UnB), em 1976, mostra que Wilson Lima foi reprovado em todas as matérias. Introdução a sociologia: Sem Rendimentos (SR). Iniciação a metodologia científica: Médio Inferior (MI).  Língua Portuguesa 1: SR. Língua Inglesa 1: SR. Práticas Desportivas: Inferior (II).

O histórico escolar não consta da lista de documentos exigidos para inscrição nas eleições, mas a assessoria do governador interino informou que foi a forma encontrada para indicar o grau de escolaridade do candidato: superior incompleto. As notas zero, explicou o assessor, têm explicação. Wilson Lima abandonou o curso porque precisou assumir o comando do mercado da família após a morte do pai, naquele ano.

Na declaração de bens de Wilson Lima ele informa que tem saldo devedor de R$ 1.008 na conta que mantém no Banco do Brasil. Em outra, no Banco de Brasília, R$ 58, 4 mil de saldo. Imóveis, apenas um, na cidade satélite do Gama, que comprou por R$ 90 mil e vale hoje R$ 130 mi.

O candidato do PTB, o subprocurador-geral Luiz Filipe Coelho, em contrapartida, tem uma lista extensa de bens: quatro cavalos de hipismo comprados por cerca de R$ 35 mil cada, duas motos Harley Davdson e duas Honda, e três carros que variam de R$ 30 mil a R$ 95 mil.  Oito salas, um terreno, uma casa e 12 vagas de garagem completam a declaração. Coelho não é filiado ao PTB há mais um ano, como exige a lei eleitoral. Se o partido não substituí-lo até segunda-feira, a candidatura da legenda pode ser impugnada.

Apesar de o Diário Oficial da Câmara Legislativa ter publicado a candidatura de Tony Panetone e Bezerra Dourada, do Partido dos Pães Nacionais (PPN), um protesto de um grupo de estudantes, o suplemento no qual foram divulgadas as fichas de inscrição das chapas, as informações dos dois candidatos fictícios ficaram de fora. Na ficha, tudo foi inventado pelos estudantes. O CPF do candidato é 171171171-71 e o telefone de contato 3226 6 mole 6 dura.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.