Nova ministra da Secretaria das Mulheres atuará de acordo com o governo, diz Dilma
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Nova ministra da Secretaria das Mulheres atuará de acordo com o governo, diz Dilma

Lilian Venturini

10 de fevereiro de 2012 | 10h33

Lilian Venturini, do estadão.com.br

Com discursos repletos de menções à ditadura, a ministra da Secretaria de Políticas para as Mulheres, Eleonora Menicucci, tomou posse na manhã desta sexta-feira, 10. A socióloga e ex-companheira de cárcere da presidente Dilma Rousseff substitui Iriny Lopes e, nas palavras da presidente, vai trabalhar de acordo com a política do governo.

Durante a semana, declarações da nova ministra favoráveis à legalização do aborto causaram desconforto a parlamentares da bancada evangélica, que chegou a pedir a saída de Eleonora. “Ela é uma feminista que respeitará seus ideias, mas que atuará segundo as diretrizes do governo”, afirmou Dilma na cerimônia de posse.

Ainda durante seu discurso, a presidente reforçou que a nova ministra não fará distinções “políticas, religiosas ou de qualquer outra ordem”. “Tenho certeza de que a Eleonora é capaz de assegurar, dentro da diversidade do nosso País, que todas as situações sejam preservadas.”

Sem abordar temas polêmicos, a nova ministra usou seu discurso para falar das prioridades de sua gestão e do seu passado de luta contra a ditadura, período em que se aproximou da presidente Dilma. “Nos engajamos contra a ditadura, fomos presas, torturadas. Vivemos na mesma cela. Aprendemos a nunca nos omitir diante de uma situação, por mais difícil que venha a ser”, disse.

De saída, a ex-ministra Iriny Lopes reassumirá o mandato de deputada na Câmara antes de se dedicar à campanha eleitoral pela Prefeitura de Vitória (ES).

Abaixo, os principais momentos da cerimônia de posse:

12h35 – A presidente fez longa fala com promessas de garantir igualdade para mulheres no ambiente de trabalho. Desejou sorte à ex-ministra Iriny e sorte à nova ministra Eleonora. “Seja bem-vinda, companheira.” O discurso de Dilma encerrou a cerimônia.

12h25 – Dilma: “Escolhi Eleonora pelo conjunto da obra. Ela agora se afasta por um tempo da Academia para se dedicar às ações que permitem com que nós transformemos os nossos ideiais de igualdade e justiça social em políticas concretas. Ela vem, sem sobra de dúvidas, engrandecer o meu governo. Tenho certeza de que a Eleonora é capaz de assegurar, dentro da diversidade do nosso País, que todas as situações sejam preservadas. [De que trabalhará] Sem distinções políticas, religiosas ou de qualquer outra ordem.” “Eleonora é uma feminista que respeitará seus ideias, mas que atuará segundo as diretrizes do governo. Eleonora vem para integrar o governo mais feminino da história do nosso País. E para surpresa de vocês, digo que é governo feminino não apenas por ter uma mulhjer na presidência e dez no ministério. MAs pq homens e mulheres reconhecem a importância da mulher na sociedade. Porque todos respeitam e defendem igualdade de gênero.”

12h20 – No início de seu discurso, Dilma também comentou o julgamento da aplicação da Lei Maria da Penha, nessa quinta-feira no Supremo Tribunal Federal. “Com essa lei, portanto, estamos construindo o futuro da sociedade brasileira.” A presidente desejou sorge à ministra Iriny Lopes, que deixa o cargo em razão das eleições e reassume o mandato de deputada na Câmara.

12h16 – Dilma fez agradecimento especial à senadora Marta Suplicy (PT-SP) por sua participação “inequívoca” nos projetos voltados aos direitos da mulher.

12h12 – A presidente Dilma Rousseff começa a discursar.

12h09 – Dedicou a parte final do discurso a pessoas que morreram durante a ditadura, momento em que foi aplaudida de pé pelos presentes na cerimônia. “Todas as minhas energias, responsabilidade e vontade estarão dedicadas para que nosso governo responda ao compromisso que a senhora assumiu com todas as mulheres”, concluiu Eleonora.

12h06 – Eleonora Menicucci: “Quero reafimar a importância desse ministério e do trabalho das ministras que me antecederam. O desafio do ministério, no conjunto do governo, é de buscar mudanças relativas à remuneração, à saúde, à partilha de responsabilidades profissionais e busca de paridade nos processos de decisão.”

12h – Eleonora Menicucci: “A vitória ontem no STF [sobre a Lei Maria da Penha] representa marco histórico na vida das mulheres brasileiras. Porém, falta muito a ser feito para garantir a prática da lei em sua plenitude. Para atuar na prevenção da violência contra as mulheres é preciso parceria com educação, saúde, comunicação, entre tantas.”

11h55 – A nova ministra chamou atenção para seu currículo acadêmico, o que, segundo ela, a credencia para assumir o cargo. “Tenha certeza [presidente] de que meu currículo acadêmico, me credencia e me dá suporte para desempenhar esse cargo. Além disso, adquiri experiência na gestão pública. Na condição de ministra investirei na força empreendedora das mulheres brasileiras para avançar somando às conquistas já alcançadas na esfera do trabalho, com atenção às trabalhadoras domésticas, desprotegidas pela legislação vigente.”

11h50 – Eleonora Menicucci: “O convite que a senhora me fez me honra e me estimula a enfrentar um dos maiores desafios pessoais e pessoais com os quais me deparei. Responderei com toda minha lealdade. Nossas trajetórias, presidente, de mulheres mineiras quando éramos muito jovens. Nos engajamos contra a ditadura, fomos presas, torturadas. Vivemos na mesma cela. Aprendemos a nunca nos omitir diante de uma situação, por mais difícil que venha a ser.”

11h44 – Iriny defende igualdade salarial entre homens e mulheres e mencionou os projetos realizados em parceria com os demais ministérios. Após concluir a fala, a presidente Dilma Rousseff assinou o termo de posse da nova ministra, Eleonora Menicucci, próxima a falar.

11h35 – Iriny destacou a Lei Maria da Penha e o julgamento do Supremo Tribunal Federal, que nessa quinta-feira, 9, determinou que abertura de ação criminal contra o responsável pela lesão corporal mesmo sem a vítima formalizar a denúncia.

11h27 – Iriny Lopes agradece à presidente por ter tido a oportunidade de trabalhar em seu governo e elogia a escolha de sua substituta, Eleonora Eleonora Menicucci. Iriny destacou a participação das mulheres na aplicação dos projetos da secretaria nas cidades e municípios. “O desafio é muito grande e são vocês que executam o que pensamos aqui. Quero fazer agradecimento ao Congresso e à valoroza bancada feminina. Pequenininha, barulhenta, eficaz e guerreira.”

11h19 – Começa a cerimônia de transmissão de cargo. A atual ministra Iriny Lopes abre o evento. A presidente Dilma Rousseff está presente.

Tudo o que sabemos sobre:

abortoEleonora Menicucci

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.