As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

No Twitter, Serra diz que governo fez cópia mal feita de sua proposta de campanha

Ricardo Chapola

11 de fevereiro de 2011 | 12h28

Ricardo Chapola e Daiene Cardoso

O ex-governador de São Paulo José Serra (PSDB) ironizou nesta sexta-feira, 11, em seu Twitter o primeiro pronunciamento da presidente da República, Dilma Rousseff, em cadeia de rádio e TV na noite da quinta-feira. Serra acusou Dilma de fazer o anúncio do Programa Nacional de Acesso à Escola Técnica (Pronatec) que, segundo ele, é uma cópia de uma de suas propostas feitas na campanha. De acordo com o tucano, este projeto, apresentado quando disputava a Presidência da República com Dilma, é uma espécie de Prouni do ensino técnico.

imagem_4.JPG

Foto: Reprodução

Numa série de três posts seguidos no microblog, Serra disse que o governo copiou uma proposta de campanha da oposição que o PT atacou na época. De acordo com o ex-governador, em seu último post, ele afirmou que não esperava o crédito do projeto e aproveitou para alfinetar o governo.”Não esperava que eles dessem o crédito da autoria. Mas é bom saber como funcionam: na campanha, execram, no governo copiam, em geral mal”.

O primeiro pronunciamento de Dilma Rousseff foi dedicado ao anúncio de projetos para a educação e o compromisso do governo com a erradicação da miséria. Além do Pronatec, criado nos moldes do ProUni (Programa Universidade para Todos), a presidente afirmou que o governo vai acelerar a implantação do Plano Nacional de Banda Larga para que as escolas públicas tenham acesso à internet.”Nenhum país poderá se desenvolver sem educar bem o seu jovem e capacitá-lo plenamente para o emprego e para as novas necessidades criadas pela sociedade do conhecimento”, disse a presidente.

Dilma também disse que o governo federal está tomando medidas para corrigir e evitar falhas que têm ocorrido no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) e no Sistema de Seleção Unificada (Sisu), que utiliza as notas do Enem para preencher vagas em universidades federais.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.