As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

No DF, Agnelo diz que criará secretaria da transparência e 0800 anticorrupção

Bruno Siffredi

01 de novembro de 2010 | 13h05

Rafael Moraes Moura, de Brasília

O governador eleito do Distrito Federal, Agnelo Queiroz (PT), prometeu criar uma secretaria de transparência para investigar as contas públicas e instalar um 0800 anticorrupção, assim que tomar posse em janeiro de 2011. Ao lado de seu vice, Tadeu Filippelli (PMDB), e do senador reeleito Cristovam Buarque (PDT), Agnelo concedeu entrevista coletiva à imprensa nesta manhã. “A transparência radical ajuda. Incluiremos nos contratos um 0800, com total privacidade, de tal maneira que, se o cidadão for abordado de alguma forma que não seja de interesse público, ele pode recorrer, para isso ser investigado, preservando a sua identidade”, disse Agnelo. “Você previne tanto do lado da administração quanto do lado empresarial, para que ele (empresário) não se submeta a essas práticas”, acrescentou.

Segundo Agnelo, a secretaria de transparência funcionará como um instrumento rotineiro de fiscalização da Administração Pública. O petista também afirmou que dará prioridade à saúde pública no Distrito Federal. “Tomaremos uma série de medidas emergenciais, coordenadas diretamente por mim, para tirar a saúde da UTI e botar pelo menos de pé”, enfatizou. Entre essas medidas, o ex-ministro dos Esportes destacou a recomposição da rede pública hospitalar e a compra de medicamentos e equipamentos.

O governador eleito espera contar com uma ajuda muito grande do governo federal, que em 2011 será comandado pela petista Dilma Rousseff, eleita a primeira mulher presidente do Brasil nesse domingo.

Questionado se a vitória dele representava o fim do “rorizismo”, Agnelo respondeu: “É uma pergunta difícil. É a própria população quem vai decidir isso. Se fosse por minha vontade, sim, mas não posso falar pela população”.

Tudo o que sabemos sobre:

Agnelo QueirozDFPT

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.