As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

‘Não houve uma participação efetiva da sociedade civil nesta primeira semana’, diz especialista

Bruno Siffredi

09 de agosto de 2012 | 21h12

Isadora Peron, de O Estado de S.Paulo

Cerca de dez grupos que atuam no combate à corrupção se reuniram nesta quinta-feira, 9, em Brasília, para avaliar a primeira semana de julgamento do mensalão e disseram que esperavam mais mobilização popular com o início do julgamento. Desde quinta-feira passada, foram poucas as manifestações em frente à sede do Supremo Tribunal Federal.

“Você vê a sociedade revoltada nas redes sociais, mas, mesmo com todo mundo indignado, não houve uma participação efetiva da sociedade civil nesta primeira semana”, afirmou Diego Ramalho, do Instituto de Fiscalização e Controle, uma das organizações que promoveu o encontro.

Segundo Ramalho, os movimentos vão lançar em conjunto um manifesto pedindo a condenação dos 36 réus apontados pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel. Eles também vão destacar no documento a importância da participação social em momentos como esse para fortalecer a democracia e a necessidade de avançar nas discussões sobre a reforma no sistema político brasileiro.

Os grupos decidiram ainda marcar uma manifestação para a próxima quinta-feira. A ideia é dançar uma quadrilha, com a das festas juninas, na Praça dos Três Poderes em alusão a um dos crimes pelos quais os réus respondem: formação de quadrilha.

Outro grupo que organizou a reunião foi o Movimento 31 de Julho, do Rio de Janeiro. Uma da integrantes, Ana Luiza Archer, aproveitou a passagem por Brasília para acompanhar uma sessão do julgamento ao vivo. O grupo mantém na internet um blog que avalia diariamente o que está acontecendo no Supremo. “Foi legal ver como é o clima na Corte. O que nós esperamos agora é que o julgamento transcorra bem e dentro do cronograma planejado”, afirmou.

Tudo o que sabemos sobre:

MensalãoSTF

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.