Na França, Dilma descarta contribuição para Europa e promete unir forças por vaga na ONU
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Na França, Dilma descarta contribuição para Europa e promete unir forças por vaga na ONU

Lilian Venturini

04 de novembro de 2011 | 14h23

Daniela Milanese, enviada especial da Agência Estado

A presidente Dilma Rousseff descartou a possibilidade de dar uma contribuição direta para ajudar a Europa. Segundo ela, qualquer ajuda deve ser feita por meio do Fundo Monetário Internacional (FMI). “Não tenho a menor intenção de fazer uma contribuição direta para o EFSF”, disse, referindo-se ao fundo de resgate europeu para os países em dificuldades. “Se nem eles têm, porque eu teria?”, afirmou durante entrevista coletiva nesta sexta-feira, 4, em Cannes, onde participa da reunião do G-20.

Também nesta sexta, Dilma, em reunião com a chanceler da Alemanha, Angela Merkel, combinaram intensificar os esforços para a reforma do Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU). Os dois países formam o G-4, junto com o Japão e a Índia, e pedem um assento permanente no órgão, hoje formado apenas pelos Estados Unidos, Reino Unido, França, Rússia e China.

Tudo o que sabemos sobre:

dilma g-20vaga na onu

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.