As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ministro da Justiça fala sobre Operação Porto Seguro na Câmara

Lilian Venturini

04 de dezembro de 2012 | 09h41

O Estado de S.Paulo

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, vai à Câmara nesta terça-feira, 4, para falar sobre as investigações da Operação Porto Seguro, da Polícia Federal, que revelou um esquema de venda de pareceres técnicos em órgãos federais.

Segundo a PF, os integrantes da quadrilha estavam infiltrados em órgãos federais e negociavam a venda de pareceres técnicos para beneficiar empresas particulares. O diretor afastado da Agência Nacional de Águas (ANA) Paulo Vieira é apontado como o chefe da quadrilha. O grupo ainda era composto por seu irmão, diretor de Infraestrutura da Agência Nacional de Aviação (Anac), Rubens Vieira, também afastado; pela ex-chefe de gabinete da Presidência da República em São Paulo Rosemary Noronha; e o número 2 da Advocacia Geral da União (AGU), José Weber de Holanda, demitido do cargo.

De acordo com as mensagens interceptadas durante as investigações, Rosemary usava o cargo para facilitar o trânsito dos irmãos Vieira no governo federal. Em troca, teria recebido um carro, viagens e empregos para familiares. Nessa terça, O Estado mostrou que Paulo Vieira teria atuado para beneficiar mais três empresas.

A operação começou a partir das denúncias do ex-auditor do Tribunal de Contas da União Cyonil da Cunha Borges de Faria Junior. À PF, o auditor afirmou que recebia ofertas de dinheiro para participar do esquema. Nessa segunda, 3, a Comissão de Ética Pública pediu explicações sobre as denúncias aos quatro envolvidos: Rosemary Noronha, os irmãos Paulo e Rubens Vieira, e José Weber Holanda.

Na semana passada, parlamentares da oposição tentaram convidar os envolvidos na operação a prestar esclarecimentos no Congresso. Como foram convidados, não são obrigados a comparecer. Nesta quarta-feira, 5, Cardozo também irá ao Senado, mesmo dia da ida do ministro chefe da Advocacia Geral da União AGU), Luís Inácio Adams.

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.