As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Ministro Alfredo Nascimento quer apoio do PR e convoca reunião do partido

Jennifer Gonzales

04 de julho de 2011 | 16h12

Denise Madueño, de O Estado de S.Paulo

Depois de ter sido confirmado no cargo pela presidente Dilma Rousseff, o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, quer a manifestação de apoio do PR, partido que preside. Nascimento chamou os parlamentares que estão em Brasília para uma reunião às 17h desta segunda-feira, 4, no Ministério. Os senadores Blairo Maggi (MT) e Magno Malta (ES) já confirmaram presença. O deputado Valdemar Costa Neto (SP), secretário-geral do PR e apontado como comandante informal do suposto esquema de corrupção do Ministério, segundo reportagem publicada pela revista Veja, não irá ao encontro.

A reunião deverá resultar em uma moção de apoio ao ministro e o pedido para que as denúncias sejam investigadas, segundo um dos convidados para o encontro. Parlamentares do PR consideram que a manutenção de Nascimento na pasta, confirmada pela manhã pela presidente, não acaba com o mal-estar no partido.

Na visão desses parlamentares, ou a presidente tem mais informações relacionadas à denúncia da Veja ou agiu precipitadamente, o que mantém a situação delicada. Parlamentares do PR entendem que houve uma quebra de confiança com o governo.

O diretor-geral do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot, afastado no sábado por Dilma, fez chegar ao PR sua irritação. Ele tem dito que não aceita o afastamento e que, se for assim, prefere ser demitido, segundo contou um parlamentar. Além de Pagot, foram afastados o chefe de gabinete do Ministério, Mauro Barbosa Silva, e o assessor Luís Tito Bonvini, e o presidente da Valec Engenharia, José Francisco das Neves.

Reportagem publicada pela revista Veja revela o funcionamento de um esquema montado nos Transportes baseado na cobrança de propinas de 4% das empreiteiras e de 5% das empresas de consultoria que elaboram os projetos de obras em rodovias e ferrovias. A maior parte dos desvios, segundo Veja, ia para o PR e uma parcela era distribuída aos parlamentares dos Estados onde a obra era realizada.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.