As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Marco Maia espera vencer disputa pela presidência da Câmara com apoio de todos os partidos

Ricardo Chapola

19 de janeiro de 2011 | 16h06

Agência Brasil

BRASÍLIA – O presidente da Câmara dos Deputados, Marco Maia (PT-RS), disse nesta quarta-feira, 19, que espera, até o início de fevereiro, unificar a Casa em torno da sua candidatura à reeleição, inclusive com o apoio do deputado Sandro Mabel (PR-GO), que também postula o cargo. Maia já conta com o apoio institucional de praticamente todos os partidos, inclusive o PR que, ontem, organizou um jantar para consolidar a aliança em torno de sua candidatura.

Apesar disso, ele mantém cautela ao afirmar que apoio partidário não significa, obrigatoriamente, o voto dos deputados. Por isso, mantém uma agenda de contatos individuais e com bancadas para evitar qualquer surpresa no dia 1º de fevereiro, quando serão eleitas as mesas diretoras da Câmara e do Senado para o biênio 2011-2012.

“O deputado Sandro Mabel é o candidato que se coloca. Trata-se de um líder experiente, reconhecido na Casa. O Sandro vai saber, na hora certa, tomar a melhor decisão para a Câmara dos Deputados e [assim] estarmos juntos nesse projeto de valorização da Casa”, afirmou Marco Maia em entrevista ao programa 3 a 1, da TV Brasil, que vai ao ar, hoje, a partir das 22 horas. O programa, ancorado por Luiz Carlos Azedo, teve a participação dos jornalistas da EBC Eudes Junior e Tereza Cruvinel.

O presidente da Câmara disse, ainda, que o apoio conquistado é consequência do compromisso que assumiu com os líderes de respeitar o critério da proporcionalidade (tamanho das bancadas eleitas em 2010) na hora de preencher os cargos da Mesa Diretora e das presidências das comissões. “Essa é uma proposta que agrada a todos e pode gerar uma chapa de consenso, inclusive sem disputa para os outros cargos da Mesa”, disse Maia.

O presidente da Câmara ressaltou que, nas conversas, assumiu o compromisso de garantir o fortalecimento político da Casa e, para isso, aposta no diálogo com os líderes para definir a pauta de votações. Quanto a eventuais críticas do governo ao trabalho parlamentar, Marco Maia destacou que o Legislativo tem atuado com presteza na apreciação de matérias encaminhadas pelo Executivo. Como exemplo, citou o projeto Minha Casa, Minha Vida, aprovado no ano passado.

Por outro lado, ele destacou a autonomia do Congresso para debater propostas polêmicas, como a medida provisória que reajustou o salário mínimo para R$ 540. Ele ressaltou que é função do parlamentar debater e apresentar alternativas de aperfeiçoamento de matérias encaminhadas pelo Executivo.

Tudo o que sabemos sobre:

CâmaraMarco MaiaPresidênciaPT

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.