As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Itamar pede postura combativa da oposição no governo Dilma

Bruno Siffredi

05 de novembro de 2010 | 12h07

Bruno Siffredi, do estadão.com.br

O senador eleito e ex-presidente da República, Itamar Franco (PPS-MG), convocou a oposição a ter uma postura mais combativa durante a próxima legislatura. “Oposição precisa ser oposição, sem trégua”, disse o mineiro, entrevistado nesta sexta-feira, 5, pela Rádio Bandeirantes.

Itamar recomendou firmeza à oposição desde o primeiro dia do governo da  petista Dilma Rousseff. “Eu tenho a esperança que a oposição realmente seja oposição”, disse o mineiro. “A oposição, por menor que seja, tem que estar presente e tem que exercitar o seu papel.”

O senador eleito criticou o candidato derrotado à Presidência, José Serra (PSDB), por ter sido pouco combativo durante a campanha. “O que se viu na campanha, com todo o respeito ao nosso candidato, é que não havia oposição ao governo.” Itamar lembrou que, logo no início da campanha, foi contra a postura de Serra de elogiar o presidente Lula. “Eu tô em casa, tô em dúvida, porque que eu vou mudar se o próprio candidato da oposição está elogiando?”, questionou. Ele lamentou a ausência de temas sensíveis ao governo na campanha, como o problema cambial e a carga tributária, e descartou responsabilizar senador eleito Aécio Neves (PSDB-MG) pela derrota tucana em Minas Gerais. “Ele (Serra) não fez uma regionalização adequada em Minas”, observou.

Para Itamar, Dilma enfrentará dificuldades para conciliar os interesses dos partidos aliados ao PT. “Até a posse, tudo são flores”, disse. O senador eleito afirmou ainda ser contrário à recriação da CPMF para aumentar investimentos na saúde. “O governo teve oito anos, porque não reformulou o SUS?”, questionou, ressaltando que a criação de um novo imposto “exigirá do Congresso um debate muito acalorado”.

Ouça aqui à íntegra da entrevista.

Tudo o que sabemos sobre:

entrevistaItamar FrancoPPS

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.