As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Itamar consegue unir Stedile e Kátia Abreu

Bruno Siffredi

04 de julho de 2011 | 20h39

Roldão Arruda, de O Estado de S.Paulo

O economista João Pedro Stedile, o mais influente líder do Movimento dos Sem Terra (MST), enviou nesta segunda-feira, 4, manifestações de pesar à família do ex-presidente Itamar Franco, a quem chamou de “nosso querido Itamar”. Ao explicar, em nome do movimento, seu “carinho especial” pelo senador, que morreu na manhã de sábado, Stedile disse: “Ele sempre nos atendeu com carinho e amizade. Tinha uma sensibilidade social enorme e sempre nos apoiou, mesmo nas batalhas mais duras, enfrentando enormes interesses na questão da reforma agrária.”

A manifestação do MST foi divulgada pela manhã. À tarde, a presidente da Confederação Nacional da Agricultura, senadora Kátia Abreu (sem partido) também divulgou publicamente uma nota de pesar. Definiu o ex-presidente como político “corajoso, independente e inflexível quanto aos seus princípios”. De maneira mais específica, a presidente da organização que representa os proprietários rurais destacou como grande mérito do político mineiro a implantação do Plano Real.

O apreço de Stedile tem suas razões. Itamar foi o primeiro presidente da República a receber representantes do MST no Palácio do Planalto. Na época o movimento ainda desfrutava de grande prestígio perante a opinião pública.

Mais tarde, como governador de Minas e às turras com o presidente Fernando Henrique Cardoso, ele ameaçou enviar tropas da PM para impedir a presença de soldados do Exército, que protegiam a Fazenda Córrego da Ponte, no município de Buritis, interior do Estado. A propriedade, pertencente à família do presidente tucano, havia sido invadida por militantes do MST e desocupada em seguida. O Exército permanecia na região para evitar nova invasão.

Em 2007, ao realizar um congresso com lideranças de todo o País, em Brasília, o MST convidou Itamar. Ele não foi, mas mandou uma carta na qual dizia que o movimento deveria ser um exemplo para todos os brasileiros. “Oxalá que em nosso meio, a exemplo de vocês, eclodissem inúmeros, diversos movimentos sociais comprometidos com a organização e com o elevar do nível de consciência do povo brasileiro”, escreveu.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.