As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Imprensa internacional aponta abalo no governo com saída de Palocci

Jennifer Gonzales

08 de junho de 2011 | 11h56

Daniela Milanese, da Agência Estado

LONDRES – A imprensa internacional aponta que a presidente Dilma Rousseff sofreu forte impacto com a saída de Antonio Palocci, apontado como o representante mais forte de seu governo. Ele pediu demissão ontem à noite do cargo de ministro-chefe da Casa Civil, pressionado por suspeitas de enriquecimento ilícito e tráfico de influência.

Para o “Financial Times”, a renúncia ao cargo mais elevado do gabinete representa um “sério golpe” para a administração que ainda está começando e para a confiança dos investidores no governo brasileiro. “A saída do político mais influente ameaça enfraquecer a influência de Dilma sobre sua coalizão de difícil controle num momento em que seu governo de cinco meses está tentando apertar o gasto público para ajudar a abrandar a alta da inflação”, diz o site do jornal britânico.

O “Wall Street Journal” avalia que o caso é um “grande revés” para o governo, pois Palocci possui o toque político que a “doutrinária Dilma nunca demonstrou”. Para o “WSJ”, a saída de Palocci pode até trazer um retorno do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à política brasileira.

A publicação trata a nova ministra-chefe da Casa Civil, Gleisi Hoffmann, como uma “senadora pouco conhecida de um Estado rural”. A escolha mostra como a presidente está desamparada ao perder seu estrategista político chave, afirma o “WSJ”.

O jornal também acredita que a renúncia não cairá bem para Wall Street. “Palocci era visto como uma voz importante para as políticas econômicas mais ortodoxas num gabinete de inclinação de esquerda com tendências a experimentar prescrições políticas mais radicais em relação aos gastos, administração da moeda e outros fundamentos.”

Para o “New York Times”, a situação na Casa Civil enfraqueceu a influência de Dilma sobre o Congresso e sua imagem como líder, conforme analistas e membros da oposição.

Na Espanha, o “El País” traz como título: “Homem forte de Dilma se demite por um escândalo de corrupção”. Segundo analistas políticos, a saída de Palocci se tornou inevitável, apesar de que sua renúncia abre “a primeira crise política importante” da sucessora de Lula desde que chegou ao poder, em janeiro.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: