As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Emocionada, Dilma agradece a Palocci e empossa Gleisi Hoffmann

TANIA MARIA BARBOSA MARTIN

08 de junho de 2011 | 16h26

Em cerimônia no Palácio do Planalto, Antonio Palocci despediu-se do governo de Dilma Rousseff e deu lugar à senadora Gleisi Hoffmann no ministério da Casa Civil. Palocci discursou primeiro e destacou que não cometeu nenhum ato ilegal: “Trabalhei dentro da mais estrita legalidade. Mas o mundo jurídico não trabalha no mesmo diapasão do mundo político. O embate político não permitiria que eu continuasse desempenhando minhas funções na Casa Civil”. Aplaudido ao longo de sua fala também afirmou: “Se vim [para o governo] para ajudar a promover o diálogo, saio agora para preservá-lo”. Palocci deixa o ministério mais importante do governo após apenas cinco meses, em razão das suspeitas de tráfico de influência que surgiram com a revelação de que o ex-ministro e até hoje principal articulador político de Dilma havia aumentado seu patrimônio pessoal em 20 vezes.

Veja também:
Estadão ESPN: Ouça trecho do discurso de Palocci

Gleisi despede-se do Senado: ‘Dilma me confiou uma missão’
Conheça a trajetória política da nova ministra
Arquivo: As duas quedas de Palocci, ou o Feitiço do Tempo de um ministro

Em seguida à fala de Palocci, Gleisi Hoffmann tomou a palavra e disse se espelhar no modelo de Dilma, que esteve à frente da Casa Civil anos antes, no governo Lula. “A política dá sentido à técnica e esta qualifica a política”, afirmou a nova ministra, inspirada na presidente, de quem disse pretender emular a “clareza, razão e sentido público”.

Por fim, Dilma Rousseff fez um discurso bastante emocionado, em que se despediu de Antonio Palocci, a quem o tempo todo chamou de amigo. “Eu estaria mentindo se dissesse que não estou triste. Tenho muitos motivos para lamentar a saída de Palocci. Motivos de ordem política, administrativa e pessoal”, disse a presidente.

Leia abaixo alguns dos principais momentos da cerimônia, que começou com fala de Palocci:

16h28 – “Trabalhei dentro da mais estrita legalidade. Mas o mundo jurídico não trabalha no mesmo diapasão do mundo político. O embate político não permitiria que eu continuasse desempenhando minhas funções na Casa Civil”, diz o ex-ministro. Palocci afirma: “Se vim [para o governo] para promover o diálogo, saio agora para preservá-lo”. E se dirige à presidente : “Quero agradecer à presidente Dilma Rouseff. Estou hoje ainda mais certo que a presidente está à altura deste grande desafio histórico. As políticas que começamos vão se transformar em avanços reais na vida dos brasileiros”, afirma Palocci sobre o momento político em que Dilma se encontra.

16h30 – Palocci fala sobre Gleisi Hoffmann, que o substitui: “Tive a oportunidade de trabalhar junto com ela e com a própria presidente quando participamos da primeira equipe de transição em 2002. Ela foi a primeira mulher a assumir a diretoria da Itaipu binacional. A postura firme da ministra Gleisi no Senado confirma a decisão acertada de Dilma”.

16h31 – Palocci termina agradecendo: “Presidenta Dilma, quero em especial agradecer a sua confiança e dizer que continuarei sendo leal à senhora e ao Brasil. Saio com paz de espírito, de cabeça erguida, honrando o meu trabalho, a minha família e os meus companheiros”.

Em seguida, Gleisi Hoffmann é nomeada como nova ministra, após Dilma assinar o termo que oficializa  o evento. Dilma e Gleisi se abraçam. Gleisi fala:

16h33 – A nova ministra da Casa Civil inicia discurso agradecendo aos presentes e afirmando que assume o novo posto  “com muita humildade, fé em Deus, gratidão e senso de responsabilidade”. Ela lembra que Dilma esteve em seu lugar anos antes, assumindo mesmo posto.

16h34 – Gleisi afirma que pretende emular de Dilma a  “clareza, razão e sentido público” da presidente. “Meu objetivo aqui e agora é realizar um trabalho de futuro e esperança. Garantir dignidade aos brasileiros que mais precisam”. A nova ministra ressalta que vai “fazer a coordenação gestão e controle dos programas de governo”. Ela lembra o governo Lula e se inscreve na continuação do que considera um só projeto de “transformação do Brasil”

16h37 – “A política dá sentido à técnica e esta qualifica a política”, afirma Gleisi Hoffmann citando o que seria uma visão da prórpria presidente Dilma Rousseff. Agradece aos eleitores no Paraná, ao seu marido, o ministro Paulo Bernardo, aos filhos e, finalmente, à presidente. “Que Deus nos ilumine”.

A palavra agora é da presidente Dilma:

16h39 – Após cumprimentar as autoridades presentes  – entre eles “meu querido companheiro Anotnio Palocci” -, Dilma afirma: “eu estaria mentindo se dissesse que não estou triste. Tenho muitos motivos para lamentar a saída de Palocci. Motivos de ordem política, administrativa e pessoal”

16h41 – “Juntos, enfrentamos os desafios da jornada eleitoral, da montagem da coligação que me elegeu e sustenta o governo. Agradeço do fundo do meu coração ao meu amigo Antonio Palocci, diz Dilma, emocionada em discurso no Palanlto. “Um amigo deixa o governo, e uma amiga assume o seu lugar”, afirma a presidente, que deseja boas vindas a Gleisi Hoffmann.

16h43 – Dilma em seguida elogia a nova ministra da Casa Civil: ‘Tem sólida formação técnica e experiência de gestão’. Menciona o destemor com que defende suas posições e a elegância com que enfrenta os desafios.  A presidente ressalta então fato de Gleisi ser mais uma mulher a integrar o primeiro governo de uma mulher no Brasil. Ela também alerta a nova ministra para os principais desafios que ela deve enfrentar, como o controle da inflação, o controle fiscal, a expansão da classe média, entre outros.

16h45 – “É do jogo democratico que enfrentemos a oposição. Quase sempre ruidosa, nem sempre justa. Sabemos travar o debate e ao mesmo tempo governar. O meu governo, o nosso governo, ministra Gleisi, tem metas e vai cumpri-las”, discursa a presidente Dilma. Ela encerra sua fala ressaltando a força que respalda o governo emanada da população que a elegeu. Deseja boa sorte a Gleisi Hoffmann e ao seu amigo Antonio Palocci.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: