As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Soninha diz que ação na cracolândia foi ‘burrice’ do governo

luizamonteiro

28 de agosto de 2012 | 07h20

O Estado de S. Paulo

Em entrevista ao ‘Estado’, nesta terça-feira, 28, a candidata do PPS à Prefeitura de São Paulo, Soninha Francine, declarou que foi “burrice” da Segurança Pública e do governo a ação na cracolândia, na região central da capital paulista. Para ela, a ação teria que ter sintonia com a assistência social, prefeitura e governo. Soninha também falou sobre financiamento de campanha, sobre o diferencial de ter um padrinho político, citando Fernando Haddad e Lula, e abordou suas propostas na área de saúde, educação e transporte.

Soninha Francine elegeu-se vereadora em São Paulo, em 2004. Dois anos depois foi candidata a Deputada Federal, e  em 2008 disputou a Prefeitura da capital paulista pelo PPS.

Na quarta-feira, 29,  será a vez de Celso Russomanno (PRB) responder às perguntas dos jornalistas do Grupo Estado e apresentar seu programa de governo. Na quinta-feira, 30, Fernando Haddad (PT) será entrevistado. O candidato José Serra (PSDB) foi convidado para a sexta-feira, 31, mas ainda não confirmou presença.

A série Entrevistas Estadão já teve a participação dos candidatos Gabriel Chalita (PMDB), José Maria Eymael (PSDC)Anaí Caproni (PCO)Ana Luiza (PSTU)Miguel Manso (PPL)Paulinho da Força (PDT)Carlos Giannazi (PSOL) e Levy Fidelix (PRTB).

Abaixo, os melhores momentos da entrevista:

16h00 – Soninha diz que é difícil concorrer com candidatos com padrinhos políticos. “Haddad sem padrinho, precisaria começar do zero dizendo quem ele é. A foto com o Lula é o que realmente pode alçá-lo a um patamar maior nas pesquisas. Lula ampliou o nível de padrinho a ‘níveis nunca antes vistos’. Soninha cita o exemplo que Lula fez com Dilma. “Tem um limite, é ilegal”.

15h59 – Soninha diz que eleitores mais pedem é melhoria na saúde. Candidata diz que um tema “em ascensão” é a questão dos animais de rua. “É preciso ampliar serviço de castração e educar as pessoas. Os animais são largados em parques. Tem que ser criado um disque para maus tratos e a Guarda Civil Metropolitana para averiguar”.

15h58 – Soninha critica situação física dos prédios das escolas.

15h57 – Soninha fala da situação da educação: “Teve gestões horríveis em SP, como a de Maluf e de Pitta. Com Marta e Serra teve alguns avanços”.

15h56 – Soninha diz que é preciso ter boas condições de trabalho e boa remuneração para os professores.”É intolerável violência de pai ou aluno contra professor e violência de professor contra aluno”.

15h54 – “Consegui quase ter uma relação de respeito com meus inimigos. Se meu inimigo tiver um projeto bom, votaria no projeto dele, não retalharia porque ele foi injusto comigo”.

15h52 –  “Todo mundo sabe que existe compra de voto, não estou falando só de Parlamento. A única coisa que eu não sabia era que as votações não são pra valer, eram combinadas”.

15h50 – Soninha critica que casos de caixa 2 em campanha são tratados com naturalidade.

15h49 – “Existe muitas maneiras de gastar dinheiro de campanha, sem passar pelas contas da campanha. Achar que o fundo público acaba com o caixa 2 não tem nada a ver”.

15h47 – Candidata comenta doações para campanha eleitoral: “a gente nem precisa de tanto dinheiro. E mesmo assim não tem quase nada. As pessoas não querem aparecer como doadores de campanha porque pode causar embaraço”.

15h42 – Soninha diz que ação na Cracolândia foi “burrice da Segurança Pública e do Governo do Estado”. Candidata diz que ação tem que ter sintonia com a assistência social, prefeitura e governo.

15h40 – Soninha diz que a Segurança Pública foi omissa na questão da Cracolândia.  “Faltou inteligência geral para evitar que houvesse tanto crack”.

15h39 – Candidata diz que na Cracolândia há “total falta de sincronia” de como lidar com o problema. “A saúde não se preparou para receber as pessoas que procuram tratamento”.

15h35 – “A gente pensa que o ‘vale-tudo’ na campanha quando começam as agressões pessoais, mas na verdade, acontece quando são os dados manipulados, arrendonda os números um poucos mais. Se fala qualquer coisa para conquistar o eleitorado”.

15h33 – Soninha diz que gestão de Kassab na saúde não funciona. “Pessoas são mal atendidas, não tem profissionais”.

15h32 – Soninha defende um “mutirão” para zerar fila nos hospitais públicos.

15h30 -Soninha critica sistema de ônibus da gestão de Kassab. Candidata diz que coleta seletiva está “abandonada” e que funciona em galpões precários.

15h29 -“O serviço da Controlar funciona muito mal”, diz a candidata. Soninha diz que tem que haver algum tipo de reembolso para automóveis em bons estados.

15h27 – Soninha defende a inspeção veicular para que o automóvel “funcione nos conformes”, mas critica o “transtorno” para fazer a inspeção.

15h25 – Soninha diz que é preciso fazer planos cicloviários locais. “A bicicleta susbstitui pequenos trajetos”. Soninha diz que é importante o uso de “bicicleta compartilhada”.

15h23 – Soninha diz que antes tinha medo e não seria capaz de andar de bicicleta no trânsito, mas decobriu que “é possível, mesmo com as condições ruins que ainda temos. É viável”.

15h20 – Soninha diz que Kassab priorizou medidas restritivas na área da mobilidade.

15h18 – Soninha defende investimentos em ônibus e fazer com que corredores sejam percorridos por ônibus de grande porte (de sanfona). “Fora do corredor só os outros ônibus e lotações”.

15h17 – Uma das propostas de Soninha é cobrar pedágio urbano.

15h16 – “Eu sou de esquerda, mas não acho isso uma superioridade moral. É uma visão de mundo, é o coletivo em preferência do individual”.

15h11 – Soninha diz que propaganda de cerveja deveria ser proibida porque incentiva beber.

15h09 – Soninha diz que a Prefeitura não tem poder de mudar legislação federal, mas apenas manifestou opinião. “No caso do Levy, foi um esculacho”. E diz que pensou em processá-lo pela “irrresponsabilidade” de xingá-la, mas acabou não fazendo.

15h07 – Soninha fala sore a legalização da maconha e seu comentário da venda em bares na sabatina da Folha:”Bar foi só um exemplo até meio irônico, que vende vários tipos de entorpecentes, que podem causar dependência, como a cerveja e a cachaça. Por que esse assunto não consegue discutir esse assunto racionalmente?”

15h03 – Soninha diz que o maior desafio de governar SP é cuidar daqueles “cultivados há décadas” e fala de como tratar dos problemas das enchentes. Soniha aponta córregos mal canalizados e diz que enchente é um problema de emergência.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.