Erundina descarta recuar de chapa com Haddad
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Erundina descarta recuar de chapa com Haddad

Redação

19 de junho de 2012 | 10h03

estadão.com.br – atualizado às 16h38

Embora tenha discordado da aliança firmada pelo PT com o PP de Paulo Maluf, a deputada Luiza Erundina (PSB-SP), recém escolhida para compor a chapa com Fernando Haddad, afirmou que segue firme na disputa. “Não sou de recuar”, disse Erundina em entrevista divulgada nesta terça-feira, 19, à Rede Brasil Atual.

Erundina disse que a aliança com Maluf é um desestímulo, mas não deu sinais de que não pretende ficar ao lado de Maluf. “Vou manter a decisão, porque é uma decisão partidária. Vou me empenhar e fazer o melhor que puder para dar minha contribuição, mas vou procurar demarcar campos. De um lado está o seu Maluf; de outro lado estaremos nós e os setores da sociedade que não concordam, ao meu ver, com essa aliança”, disse na entrevista, repetindo o que já havia sinalizado em declarações nessa segunda-feira, 18.

Depois de negociação com o PSB, a ex-prefeita de São Paulo aceitou ser vice na chapa com o petista Fernando Haddad. O anúncio feito na sexta-feira, 15, e segundo fontes, Erundina já sabia do acordo com o PP. A inabilidade política do PT em colocar o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva ao lado do deputado federal Paulo Maluf nesta segunda-feira, 18, foi a gota d’água para a Erundina recuar da decisão de ser vice.

Embora ela tenha declarado ter desistido, o PSB não confirmava a decisão. Haddad, em entrevista no mesmo dia, afirmou que pretendia conversar pessoalmente com sua vice. O petista afirmou que tem “o maior apreço pela companheira Erundina” e que pretende “confortá-la para que ela esteja conosco na batalha da vitória”.

Segundo Haddad, a diretriz do PT é fechar coligações com todos os partidos da base aliada do governo Dilma, inclusive o PP. “Não fazemos aliança com pessoas. Nós estamos perseguindo estar com todos os partidos que dão sustentação ao governo Dilma. Esta têm sido a nossa prioridade desde janeiro”, afirmou.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.