As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em reunião com ministros, Temer diz que entrevero com Palocci ‘ficou no passado’

Armando Fávaro

30 de maio de 2011 | 16h39

Tânia Monteiro, de O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA – O presidente em exercício, Michel Temer, tentou nesta segunda-feira, 30, minimizar o entrevero ocorrido entre ele e o ministro chefe da Casa Civil, Antonio Palocci, na semana passada, quando os dois discutiram a votação do código florestal e Palocci ameaçou demitir os ministros do PMDB caso o partido votasse contra os interesses do Planalto. Durante reunião com ministros para tratar das mortes ocorridas em conflitos no Norte do País, Temer, tentando amenizar a polêmica, disse aos ministros, segundo relato de fontes do Planalto, que o episódio “está superado” e ficou “no passado”.

Veja também:
linkAntes de partir rumo ao Uruguai, Dilma aparece em foto com Temer
linkESTADÃO/ESPN: Não dependemos do Congresso para trabalhar, diz secretário-geral da Presidência
linkPara ministro da Justiça, caso Palocci é de ‘muita fumaça e pouca fagulha’
linkSarney minimiza crise entre PT e PMDB
linkEnquete: A intervenção de Lula ajuda ou atrapalha Dilma?

Nesta segunda-feira, Temer e a presidente Dilma Rousseff tiveram uma rápida reunião na Base Aérea, antes de ela embarcar para Montevidéu, no Uruguai, e, no sábado, os dois já tinham conversado sobre o mal estar por telefone. Pelo seu lado, o PMDB tenta contornar a história dizendo que o partido “tem compromissos com a presidente Dilma” e apoia a presidente. Lembra ainda que o PMDB hoje, ao contrário do governo anterior, quando era da base de apoio, é governo, já que tem um vice presidente eleito.

Apesar de ser o coordenador de todas as ações de governo, Palocci não esteve presente nesta reunião convocada por Temer a pedido da presidente Dilma. A coordenação do tema ficou a cargo do ministro da Secretaria Geral, Gilberto Carvalho, que tem operado como um aparador de arestas neste episódio e tem repetido que problemas entre partidos são normais. “Coisas do casamento”, tem repetido ele, esclarecendo que os problemas são contornáveis como ocorre em toda relação.