As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em nota, ministro nega ter criticado investigação que levou à prisão de José Rainha

Bruno Siffredi

17 de junho de 2011 | 15h04

Rosana de Cassia, de Brasília

O ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência, Gilberto Carvalho, divulgou nota há pouco na qual afirma que em nenhum momento condenou o processo de investigação que levou à prisão do líder sem-terra José Rainha Júnior e outros militantes, acusados de desvio de dinheiro público. “Em nenhum momento pretendi imiscuir-me no processo de investigação que levou às prisões, certamente conduzido na forma da lei, a mesma lei que assegura aos acusados o direito de defesa e os preserva de condenações açodadas, antes do devido processo legal”, diz a nota.

Carvalho defendeu o conteúdo de suas declarações de quinta-feira, 16, quando disse que as prisões e os fatos que levaram a elas são negativos para o processo de reforma agrária no País. “Inversamente, são positivas para a reforma agrária notícias de avanços e resultados profícuos de cooperativas de trabalhadores rurais assentados em diferentes estados do Brasil”, observou o ministro. Carvalho fez ainda uma crítica à imprensa ao citar “colunistas” que, segundo ele, “preferiram divulgar interpretações imputando a mim desejos e intenções que não correspondem à verdade”.

Leia abaixo a íntegra da nota divulgada pela Secretaria-Geral da Presidência da República:

Sobre a prisão de José Rainha

Apesar da clareza de minhas declarações sobre a prisão de José Rainha e outros militantes de movimentos pela Reforma Agrária, devidamente compreendidas pelos jornalistas que me entrevistaram, alguns colunistas preferiram divulgar interpretações imputando a mim desejos e intenções que não correspondem à verdade.
Reafirmo, portanto, o conteúdo do que declarei, constatando que as prisões e os fatos que levaram a elas são negativos para o processo de Reforma Agrária. Inversamente, são positivas para a Reforma Agrária notícias de avanços e resultados profícuos de cooperativas de trabalhadores rurais assentados em diferentes estados do Brasil.
Em nenhum momento pretendi imiscuir-me no processo de investigação que levou às prisões, certamente conduzido na forma da lei, a mesma lei que assegura aos acusados o direito de defesa e os preserva de condenações açodadas, antes do devido processo legal.
Gilberto Carvalho
Ministro-Chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República

Assessoria de Comunicação
Secretaria-Geral da Presidência da República

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.