As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em auditoria, CGU constata perdas de R$ 10 milhões com irregularidades em Furnas

Redação

14 de outubro de 2011 | 21h04

Andrea Jubé Vianna, de O Estado de S.Paulo

BRASÍLIA – Auditoria da Controladoria-Geral da União (CGU) que investigou denúncias de irregularidades na empresa Furnas Centrais Elétricas S/A, ligada à Eletrobrás, constatou perdas para a estatal estimadas em R$ 10 milhões. De acordo com o relatório da auditoria divulgado nesta sexta-feira, 14, os prejuízos decorrem da participação de Furnas no consórcio para construção da usina hidrelétrica de Serra do Facão, na divisa entre Goiás e Minas Gerais, que entrou em operação no ano passado.

De acordo com a CGU, a aprovação do novo modelo societário da Serra do Facão Participações S/A, que não previa análise jurídica e econômica do novo empreendedor – que substituiu a Oliveira Trust Service no negócio – gerou prejuízo de R$ 8,4 milhões. O novo sócio teve o cadastro rejeitado pelo BNDES, o que dificultou empréstimo do banco para viabilizar a obra. A CGU ainda apontou perdas de R$ 1,6 milhão por causa da retirada de pauta e não aprovação da primeira emissão de 14 mil títulos da Serra do Facão Participações S/A. Para a CGU, este fato gerou despesas de operacionalização que poderiam ser evitadas.

Os auditores não verificaram prejuízo no fato de Furnas não ter exercido direito de compra das ações da Oliveira Trust por R$ 5 milhões e, sete meses depois, adquirir parte da empresa por R$ 80 milhões. Furnas alegou que a empresa se valorizou após um aporte de R$ 75 milhões.

A auditoria verificou, ainda, que os atrasos na implantação das hidrelétricas de Simplício e Batalha elevaram o custo da energia gerada pelas usinas. A CGU recomendou à direção de Furnas abertura de processos administrativos para punir os responsáveis e encaminhou cópia do relatório ao Ministério das Minas e Energia, à Casa Civil, ao Tribunal de Contas da União e ao Ministério Público Federal.

 

Tudo o que sabemos sobre:

auditoriaCGUFurnas

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.