As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Dono de domínio quer leiloar www.dilma.com.br

Camila Tuchlinski

01 de junho de 2010 | 15h56

Por João Naves de Oliveira, de Campo Grande

O site www.dilma.com.br ficou famoso sob domínio do empresário de Campo Grande, no Mato Grosso do sul, Walter Maiolino, depois de arrematá-lo em um leilão virtual sem qualquer pretensão imediata. O tempo passou e Maiolino afirma que: “eu comprei o domínio quando ela não era famosa ainda, sem intenção de vender. Agora, com tantas propostas, vamos vender”.

Nesta terça-feira, o preço está fixado em R$ 100 mil, mas as ofertas estão aumentando, “pode ser que amanhã seja R$ 200 mil”, ressaltou, brincando que “se a coisa rolar e a Dilma virar presidente, teremos um milhão de visitas, aí nem sei…”. Explicou que a maior proposta do dia foi de R$ 60 mil, mas tem certeza que até amanhã o preço vai subir.

“Tem dia que recebo 10 propostas, ou três, duas, nenhuma e assim vou levando até chegar a um preço ideal”. A maior parte dos interessados é de Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e Bahia, e todos não explicam o motivo do interesse pela aquisição do site. “Eu não tenho a curiosidade pelo interesse dos interessados apenas dou o preço e eles dizem obrigado, desligam o telefone”.

Maiolino lembra que há dois anos quando resolveu vender o site, não aparecia ninguém. “Depois que a Dilma ficou pré-candidata, os telefonemas começaram a aumentar. Desde o início deste ano, não fico sem uma oferta, tem gente querendo comprar todos os dias. Vamos vender sim, estamos aguardando mas é por pouco tempo. Não pretendo esperar o resultado das eleições para tanto”.

Quem quiser acessar o site, vai abrir uma página de um detector de combustível adulterado. No topo da página existe um banner anunciando: “Vende-se esse domínio R$ 100.000,00”. O site foi criado em agosto de 2007, e o empresário tem outros domínios à venda como “flex power”, “airbags”, “teste vocacional” e o “sungas”.

Tudo o que sabemos sobre:

DilmaInternetleilão

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências: