As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Dirceu evita se expor antes do julgamento do mensalão e falta a debate sobre a ditadura

Bruno Lupion

28 de julho de 2012 | 13h39

Bruno Lupion

O ex-ministro da Casa Civil José Dirceu faltou ao debate sobre o Movimento de Libertação Popular (Molipo) realizado na manhã deste sábado, 28, no Memorial da Resistência de São Paulo, devido à proximidade do julgamento do mensalão. O líder petista integrou a organização de esquerda, criada na década de 70 para derrubar o regime militar por meio da guerrilha, e havia confirmado presença no evento, mas voltou atrás para evitar sua exposição pública.

Ivan Seixas, organizador do debate, explicou a ausência de Dirceu e destacou que o objetivo da palestra não seria fazer apologia à luta armada, mas preservar a memória da resistência à ditadura militar, contemplando todas as linhas políticas e formas de contestação. “A história do José Dirceu ninguém tira dele, nem ele mesmo”, afirmou, após lembrar a ida do ex-ministro a Cuba, a cirurgia plástica a que foi submetido e o retorno ao Brasil.

No lugar de Dirceu, palestrou a ex-integrante da Molipo Ana Corbisier, que relatou a difícil opção pela luta armada no início da ditadura militar e seu período de treinamento em Cuba, antes de retornar ao País e se fixar na Bahia. “Nós não gostávamos de violência, mas precisávamos resistir. Fomos empurrados para a luta armada”, disse. Também compôs a mesa o ex-militante da Molipo Pedro Rocha Filho.

 

 

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.