As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Desembargador pede vistas e decisão sobre habeas corpus de Cachoeira é suspensa

Redação

15 de maio de 2012 | 16h09

BRASÍLIA – Um pedido de vistas do desembargador Adilson Macabu, do TJ-RJ (Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro), suspendeu o julgamento do habeas corpus que concederia liberdade ao contraventor Carlos Augusto de Almeida Ramos, o Carlinhos Cachoeira, nesta terça,feira, 15.

Os ministros Gilson Dipp, Jorge Mussi e Marco Aurélio Bellizze, do Supremo Tribunal de Justiça, haviam negado a concessão do habeas corpus, solicitado pela defesa do contraventor. A ministra Laurita Vaz se declarou suspeita para o caso e não votou. Por fim, Macabu, desembargador convocado, pediu vistas e suspendeu a decisão.

Carlinhos Cachoeira está preso preventivamente desde 29 de fevereiro, em decorrência da Operação Monte Carlo, da Polícia Federal, que investigou suposta organização envolvida com exploração de jogos ilegais e em crimes de lavagem de dinheiro, evasão de divisas, contrabando, corrupção, peculato, prevaricação e outros.

CPI

A Comissão Parlamentar Mista de Inquérito (CPMI) que investiga as relações de Cachoeira com políticos decidiu convocar o contraventor novamente na próxima terça-feira, 22, para ouvi-lo. Além disso, os parlamentares também aprovaram o acesso dos advogados de Cachoeira aos documentos sigilosos das operações Vegas e Monte Carlo em poder da CPI.

Cachoeira deveria ter comparecido ao Congresso para responder às perguntas da CPI nesta terça, mas o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu adiar o depoimento.

Tudo o que sabemos sobre:

CachoeiraCPIcpi do cachoeiraSTJ

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.