As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Deputados ameaçam representar no Conselho de Ética contra declarações de Bolsonaro

Armando Fávaro

29 de março de 2011 | 14h15

André Mascarenhas, do Estadão.com.br

Gerou indignação no Twitter e repercussão no Congresso Nacional a entrevista do deputado federal Jair Bolsonaro (PP-RJ) ao CQC, veiculada na noite desta segunda-feira, 28. Questionado pela cantora Preta Gil o que ele faria se o filho se apaixonasse por uma mulher negra, Bolsonaro disse não “discutir promiscuidade com quem quer que seja”.

“Eu não corro esse risco. Meus filhos foram muito bem educados e não viveram em ambiente como, lamentavelmente, é o teu”, disse o deputado, numa declaração interpretada como racista por usuários do microblog. Na entrevista, o deputado disse ainda que não voaria em avião pilotado por um “cotista”, em referência aos estudantes beneficiados pela política de cotas raciais.

Pelo menos três colegas de Bolsonaro na Câmara ameaçaram tomar providências contra seu posicionamento. Ativista do movimento gay, o deputado Jean Wyllys (PSOL-RJ) classificou as palavras de Bolsonaro como “crime de racismo”. Menos de uma hora após a veiculação da entrevista, Willys já prometia em sua conta no Twitter representar o mais rápido possível “contra esse racista homofóbico no Conselho de Ética da Camara”. “Bolsonaro terá de responder por seu crime e imoralidade por que queremos uma sociedade justa e boa!”, afirmou, para em seguida pedir a mobilização dos movimentos Negro e LGBT (lésbicas, gays, bissexuais e transexuais).

Também em seu Twitter, a deputada Manuela d’Ávila (PC do B-RS) foi menos enfática em relação às providências que irá propor, mas não deixou de criticar as declarações do colega. “Estou estudando com minha equipe o que fazer”, escreveu Manuela, no início da tarde desta terça-feira, 29. “Além de homofóbico, racista. Fala em tortura. Um absurdo. Mas ele representa quase nada de nosso povo”, acrescentou a deputada.

O deputado Brizola Neto (PDT-RJ) também classificou as declarações de Bolsonaro como criminosas e prometeu providências. “Jair Bolsonaro cometeu crime de racismo e isso tem que ter consequências na Câmara”, afirmou.

Mal-entendido. O deputado tem se defendido no Twitter com a ajuda de seus dois filhos, Flávio e Carlos Bolsonaro. Ambos classificam a polêmica como uma tentativa de se criar um factoide. Para Flávio, seu pai “entendeu errado a pergunta”. “Estão fazendo tempestade em copo d`água, qualquer um que não seja analfabeto funcional percebe que a resposta não tem conexão com a pergunta”, afirma ele em um dos post que publicou sobre o assunto. “Nitidamente entendeu errado a pergunta e respondeu outra. Promiscuidade não tem nada a ver com cor da pele… Difícil perceber?”, argumenta.

Já para Carlos Bolsonaro, o pai “não se referiu à raças, mas sim à postura de Preta Gil”. “Meu pai nos ensinou a respeitar a todos independente da cor. Os Ditadores do Homossexualismo e das Cotas tentam mais uma vez criar um factoide!”, escreveu. Carlos aproveitou para cutucar a cantora: “Preta Gil discutindo valores é algo humorístico! Nunca fomos racistas e sim contra cotas. Um abraço Pai!”

Processo. Também em seu microblog, a cantora e filha do ex-ministro e músico Gilberto Gil prometeu processar o desafeto. “Racismo é crime! E ele assume que o é!”, escreveu Preta Gil. “Não farei somente por mim e pela minha família, que foi ofendida e caluniada por ele, mas também por todos os negros e gays desse País”, afirmou a cantora.

O apresentador Luciano Huck também entrou na polêmica, em apoio à Preta Gil. “@PretaMaria, feliz um país que tem alguém como você como cidadã. Lamento por aqueles que votaram neste infeliz que esta onde não deveria estar”, disse ele em seu Twitter.

O assunto é um dos mais discutidos do dia no Twitter. Às 14h06, Bolsonaro ocupava o segundo lugar nos Trending Topics (TT) Brasil e nono no TT mundial.

O usuário do microblog Thiago Cunha recomendou em seu perfil que os usuários da rede denunciem o parlamentar. “Encaminhe denúncia contra o militar Jair Bolsonaro para ascom@defesa.gov.br (Aos cuidados de Luis Rabelo). Divulgue.”, escreveu.