As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Datafolha aponta empate entre Garotinho e Crivella no Rio

Cada um dos candidatos tem 24% das intenções de voto, o atual governador Luiz Fernando Pezão (PMDB) tem 14% e o petista Lindbergh 12%

Redação

17 de julho de 2014 | 20h08

Fábio Grellet e Fernanda Nunes

Rio – O deputado federal Anthony Garotinho (PR) e o senador Marcelo Crivella (PRB) estão empatados na liderança das intenções de voto para a eleição ao governo do Rio de Janeiro, segundo pesquisa realizada pelo Instituto Datafolha e divulgada na noite desta quinta-feira, 17, pelo RJTV, da TV Globo.

Se a eleição fosse hoje, conforme a pesquisa, Garotinho e Crivella teriam, cada um, 24% das intenções de voto. Em terceiro lugar ficaria o atual governador, Luiz Fernando Pezão (PMDB), com 14%, e, em seguida, Lindbergh Farias (PT), com 12%. Como a margem de erro da pesquisa é de três pontos percentuais para mais ou para menos, Pezão e Lindbergh estão tecnicamente empatados.

Tarcísio Motta (PSOL) tem 2% das intenções de voto, seguido por Dayse Oliveira (PSTU), com 1%. O candidato Ney Nunes (PCB) não pontuou. Os votos em branco ou nulos somariam 16% e 7% dos entrevistados não souberam ou não quiseram responder.

O Datafolha ouviu 1.317 eleitores entre os dias 15 e 16 de julho. A pesquisa foi registrada no Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) sob número 00009/2014.

Taxa de rejeição. Garotinho lidera também entre os candidatos com maior rejeição entre os eleitores: 39% dos entrevistados não votariam nele de jeito nenhum. A rejeição a Pezão é de 19%, enquanto que 17% nunca votariam em Lindbergh e 16% não votariam em Crivella.

Avaliação do governo. A pesquisa também avaliou a gestão de Pezão, que assumiu o governo do Rio em abril, substituindo Sérgio Cabral (PMDB), que renunciou.

Sua administração é considerada ótima ou boa por 19%, regular por 40% dos entrevistados e ruim ou péssima por 21%. Outros 20% não souberam ou não quiseram responder.

Tudo o que sabemos sobre:

EleiçõesRio de Janeiro

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.