As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Corte no ‘Minha Casa’ pode abalar popularidade de Dilma, diz cientista político

Lilian Venturini

28 de fevereiro de 2011 | 20h59

Anne Warth e Gustavo Uribe, de O Estado de S. Paulo

O professor de Ciência Política da Fundação Getúlio Vargas (FGV), Marco Antonio Carvalho Teixeira, avaliou que o corte no programa Minha Casa Minha Vida, dos R$ 12,7 bilhões previstos para R$ 7,6 bilhões, atingiu uma das prioridades do governo e pode abalar a popularidade da presidente. “O programa era a menina dos olhos de Dilma e é uma primeira indicação de que o governo não está conseguindo levar adiante parte de seu rol de prioridades. É claro que haverá impacto na opinião pública por conta disso”, disse.

Veja também
Gastos obrigatórios serão reduzidos em R$ 15,8 bi
Oposição critica corte de verbas de programa

Para o cientista político e consultor da ONG Voto Consciente, Humberto Dantas, apesar do impacto negativo, por se tratar de um programa social, Dilma pode reverter a repercussão negativa do corte no Minha Casa Minha Vida já em março, quando a presidente deve anunciar o reajuste do Bolsa Família. “É a velha política do bate e assopra”, resumiu.

Dantas não considera que o corte nas emendas parlamentares, que chegou a 72% do total, deve comprometer a aprovação de propostas do governo federal no Congresso Nacional. O cientista político lembra que a liberação de emendas ocorre ao longo do ano. “O Orçamento não é impositivo”, lembra. Para Teixeira, será preciso acompanhar  a partir de agora os desdobramentos políticos desse contingenciamento no Congresso. “Uma coisa foi votar o mínimo e escolher os presidentes da Câmara e Senado. Outra será a reação do Congresso a partir desse corte. Os parlamentares costumam reclamar muito”, afirmou.

Na avaliação dele, Dilma foi corajosa ao estabelecer o corte de R$ 50 bilhões no Orçamento da União. O especialista ressaltou que o gesto pode significar uma alteração no modelo administrativo dos governos do PT, que, segundo ele, não têm como marca significativa a adoção de reformas administrativas. “Houve um exagero de gastos no governo passado. E esse corte mostra uma coragem da Dilma, que a distancia do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva”, analisou. “Isso pode criar um novo jeito do PT governar no Brasil, com atuação mais austera.”

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.