Corrupção no Amapá custa R$ 1 bilhão aos cofres públicos
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Corrupção no Amapá custa R$ 1 bilhão aos cofres públicos

Redação

10 de outubro de 2011 | 19h18


Bruno Paes Manso e Tiago Queiroz, de O Estado de S.Paulo

A Operação Mãos Limpas da Polícia Federal revelou o funcionamento de um esquema de desvios de dinheiro público que já teria custado R$ 1 bilhão aos cofres do Estado do Amapá. A ação existe há dez anos e envolve políticos, funcionários públicos e empresários.

O Estado teve acesso ao inquérito e percorreu o Amapá na semana passada para compreender a dimensão e os efeitos dos desmandos. A série de reportagens está dividida em três capítulos e mostra desde os bastidores da operação da PF até os efeitos do desvio de recursos. Aponta, por exemplo, como a falta de investimento recai sobre uma população que não possui infraestrutura básica de saneamento – a rede de esgoto atende a apenas 1% da população – e como a saúde é deficitária. Também expõe aas consequência do desvio de dinheiro ao mostrar uma escola que consumiu investimentos de R$ 4,5 milhões e, mesmo assim, foi construída errada, sem sistema de ventilação.

Assista aos três capítulos da série de reportagem.

Capítulo 1: No Amapá, esquema já desviou R$ 1 bilhão

A Polícia Federal descobriu um desvio de, no mínimo, R$ 1 bilhão nos cofres públicos nos últimos 10 anos no Amapá. No primeiro capítulo desta série, a reportagem do Estadão mostra os bastidores de uma das operações mais complexas da PF, batizada Mãos Limpas.

Capítulo 2: Desvio de recursos prejudicam serviços de saneamento e saúde do Amapá

No segundo capítulo desta série, a reportagem do Estadão mostra como os serviços públicos de saúde e saneamento entram em colapso com o desvio dos recursos. A Operação Mãos Limpas, deflagrada pela PF, apontou desvio de recursos da ordem de R$ 1 bi nos últimos 10 anos. Em Macapá, apenas 1% da população tem acesso à rede de esgoto e o serviço de saúde carece de equipamentos indispensáveis ao atendimento.

Capítulo 3: Educação recebe menos verba por desvio

No último episódio da série, a reportagem mostra como a corrupção prejudicou a construção de uma escola estadual. Mesmo com investimentos da ordem de R$ 4,5 milhões, duas vezes mais que o investido em uma escola de São Paulo, a escola foi construída sem um sistema de ventilação. Com isso, os alunos são obrigados a deixar a sala de aula mais cedo devido ao calor.

Tudo o que sabemos sobre:

AmapácorrupçãoPF

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.