As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Caso Battisti não está na agenda de Patriota em Bruxelas, segundo agência italiana

Ricardo Chapola

26 de janeiro de 2011 | 13h46

Estadão.com.br

A agência ANSA informou nesta quarta-feira, 26, em nota que o ministro das Relações Exteriores, Antonio Patriota, não vai falar sobre Cesare Battisti no encontro que terá nesta quarta com a alta representante da União Europeia para Assuntos Estrangeiros e Política de Segurança, Catherine Ashton.

A informação foi divulgada pela porta-voz de Ashton, Maja Kocijancic. Segundo ela, o tema “não está na agenda” da reunião em Bruxelas.

 No último dia 20, o Parlamento Europeu aprovou uma resolução apresentada por políticos italianos que pede para o Brasil rever sua decisão de não extraditar Battisti. O texto, que foi aprovado por 86 votos a favor, um contra e duas abstenções, também solicita a intervenção “política” da UE.

 “Sempre respeitamos as posições do Parlamento Europeu, mas, por ora, a nossa avaliação continua a de que se trata de uma questão bilateral entre os dois países”, disse Maja Kocijancic.

 A porta-voz também afirmou que Ashton não conversou sobre Battisti com o ministro das Relações Exteriores da Itália, Franco Frattini, durante um evento no último sábado. “Pelo meu conhecimento, a questão não foi levantada”, comentou.

 Já Frattini, em entrevista à emissora de rádio Anch´io, contou hoje esperar “da Corte Brasileira a decisão que Battisti deve ser extraditado”.

 Cesare Battisti é um ex-militante do grupo de extrema-esquerda Proletários Armados pelo Comunismo (PAC) que foi condenado à prisão perpétua na Itália por quatro assassinatos cometidos na década de 1970.

 Preso no Brasil em 2007, dois anos depois recebeu o status de refugiado político do ex-ministro da Justiça Tarso Genro.

 Seu caso foi julgado em 2009 pelo Supremo Tribunal Federal (STF), que aprovou a extradição, mas decidiu que a resposta final caberia ao presidente.

 Portanto, em seu último dia de mandato, o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva resolveu manter o italiano no Brasil, aceitando um parecer da Advocacia-Geral da União (AGU)

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.