As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Candidatura de Eduardo Suplicy a vice de Mercadante depende de cúpula do PDT

Camila Tuchlinski

21 Maio 2010 | 18h31

Por Rodrigo Alvares

Depois da aparição inesperada durante o lançamento da pré-candidatura de Netinho de Paula (PC do B) ao Senado pela chapa encabeçada por Aloizio Mercadante (PT) na disputa pelo governo de São Paulo, o senador Eduardo Suplicy (PT) falou com os jornalistas sobre a possibilidade de ser o vice na disputa. “Há muito diálogo entre os partidos coligados e com a minha família”, disse, sem esconder sua satisfação. “Três semanas atrás, pediram que eu abrisse mão da minha candidatura.

Ainda de acordo com Suplicy, Emídio de Souza (PT), coordenador da campanha, falou que os partidos da base aliada pediram que o senador concorresse. O ponto de entrave é a resistência do PDT em ceder a vaga. Conforme falou ao Estadão um  dos coordenadores da campanha -, o presidente do PDT, Carlos Lupi, e o prefeito de Campinas, Hélio de Oliveira Campos (PDT), estariam trabalhando para emplacar alguém do partido na vice. “Eu soube que, por exemplo, no PDT houve a indicação pelo prefeito de Campinas de que ele gostaria que um dos seus secretários pudesse ser candidato a vice”, explicou Suplicy. O deputado federal Paulinho da Força já teria dado sinal verde para a indicação do senador.

Além disso, a decisão passaria diretamente pelo Diretório Nacional do PT – que estaria disposto a oferecer a vaga da suplência de Marta Suplicy por considerar garantida a eleição da ex-prefeita. O argumento seria de que, com a eventual vitória de Dilma Rousseff, Marta seria um nome certo para a Esplanada dos Ministérios. Assim, O PDT herdaria a cadeira no Senado.

Segundo Nádia Campeão, presidente do PC do B-SP, o nome de Suplicy foi lembrado durante a última reunião semanal que os partidos da coligação fazem todas as segundas-feiras – os representantes do PDT não compareceram por causa de um compromisso oficial. “Nossa preferência é esgotar as alternativas do PDT.”

“O nome do Suplicy foi muito bem recebido pelos partidos. Ele fortaleceria a chapa”, afirmou. Mais tarde, no lounge do hotel onde foi realizado o evento, Suplicy respondeu: “Nós vamos respeitar o PDT. Não temos pressa para decidir”. Uma nova reunião deve ser realizada nesta segunda-feira, 24.

Mais conteúdo sobre:

Eduardo SuplicyMercadantePDTPT