As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Em debate, Haddad ataca propostas de Russomanno e Serra defende gestão de Kassab na Prefeitura

Bruno Siffredi

24 de setembro de 2012 | 19h48

O Estado de S.Paulo

Os principais candidatos a prefeito de São Paulo participaram nesta segunda-feira, 24, do quinto debate eleitoral transmitido pela televisão. O candidato do PT, Fernando Haddad, buscou pressionar Celso Russomanno (PRB), líder nas pesquisas, com o tema da segurança pública. Por sua vez, o candidato tucano José Serra teve de se defender de ataques à atual gestão durante o debate.

O evento ocorreu em meio a um momento de mudança de postura por parte do candidato do PT, que pela primeira vez passou a criticar diretamente Russomanno. Por sua vez, tucano vinha mantendo a estratégia de atacar o petista associando-o ao escândalo do mensalão e teve que responder a críticas dirigidas ao prefeito Gilberto Kassab.

O debate, que foi transmitido pela TV Gazeta, também contou com a participação dos candidatos Carlos Giannazi (PSOL), Gabriel Chalita (PMDB), Levy Fidelix (PRTB), Paulinho da Força (PDT) e Soninha (PPS).

Acompanhe:

01h23 – Termina o debate entre os candidatos à Prefeitura de São Paulo.

01h23 – Haddad diz que pretende trazer para São Paulo “os ventos da prosperidade, que sopram em todo o Brasil”. O petista promete oferecer uma parceria forte” com o governo federal “em defesa dos mais pobres”.

01h22 – “O serviço público pode sim ter qualidade”, afirma Russomanno. “Depende da vontade política de fazer, e eu tenho essa vontade”, diz o candidato.

01h21 – Paulinho volta a defender suas propostas de descentralização da cidade e criação de empregos para melhorar a situação dos paulistanos.

01h20 – “É possível ter uma cidade muito melhor, e para todo mundo”, diz Soninha. Ela volta a dizer que votaria no Haddad em possível segundo turno contra Russomanno.

01h18 – Chalita afirma ser “do PMDB, que é um partido forte, que tem ótimos quadros”. Ele promete “aproveitar o fato de sermos uma cidade rica, e dividir essa riqueza”.

01h17 – Levy Fidelix defende suas propostas para o transporte. “Temos que nos cuidarmos (sic) para dar ao povo um transporte público de qualidade e para que o trânsito não seja caótico”.

01h16 – Serra diz que “quer muito ser prefeito de São Paulo”. Ele enaltece o próprio perfil e diz ter uma dívida com São Paulo. “Eu quero muito fazer o bem para a minha cidade.”

01h15 – Giannazi agradece a organização e os eleitores. “Os responsáveis pela grande crise que vivemos em São Paulo não serão capazes de nos tirar dela”, afirma o candidato do PSOL. “É preciso fundar a nova política na cidade de São Paulo.”

01h14 – Começa o último bloco do debate. Os candidatos fazem suas considerações finais.

01h12 – Chalita faz uma pergunta para Serra sobre a “máfia do serviço funerário”. Qual é sua proposta para acabar com essa máfia, pergunta o candidato do PMDB. Serra volta a falar de uma pergunta anterior, quando Chalita o acusou de não valorizar os profissionais da educação. Serra diz que Chalita já teve processos e que isso não é garantia de culpa. O tucano afirma que tem a ficha limpa. Na réplica, Chalita diz que nunca teve processo. Na tréplica, Serra diz que Chalita faltou a grande número de reuniões como deputado na Câmara. “Olha-te antes de acusar aos outros.”

01h07 – Haddad faz uma pergunta para Soninha. Ele quer saber se a candidata é favorável à “privatização de leitos” nos hospitais públicos. Soninha afirma que é favorável ao modelo de parcerias público-privadas, mas condena a “porta-dupla” nos hospitais públicos. Na réplica, Haddad diz que Soninha confundiu dois temas diferentes na resposta. Ele diz que seu plano é impedir a “privatização de leitos” nos hospitais e tirar do papel os hospitais prometidos pela atual gestão e não realizados. Na tréplica, Soninha afirma que fez uma distinção clara entre os dois temas.

01h03 – Soninha pergunta para Giannazi o que ele acha da gestão do governo federal no Ministério da Educação. Giannazi afirma que Haddad “fechou a representação do MEC em São Paulo” e, por causa disso, as faculdades “deitam e rolam” sobre os alunos. Na réplica, Soninha fala sobre o ProUni e lembra que o modelo foi criticado inicialmente pela União Nacional dos Estudantes (UNE).

00h59 – Paulinho faz uma pergunta para Chalita sobre funcionalismo público. Ele quer saber a posição do peemedebista sobre o tema. Chalita afirma que o servidor público deve ser valorizado porque tem um papel essencial na gestão pública. Na réplica, Paulinho lembra da implementação do sistema de lucros e resultados, e afirma que gostaria de estabelecer um sistema parecido para o servidor público. Na tréplica, Chalita diz que servidores são mal treinados e defende mudanças para melhorar a Prefeitura.

00h55 – Levy faz uma pergunta para Haddad sobre orçamento familiar. Ele pergunta se Haddad apoia sua proposta de reduzir a tarifa do ônibus de R$ 3,00 para R$ 2,00. Haddad diz que “vai fazer melhor”. O petista apresenta a proposta do bilhete único mensal. “O custo médio da tarifa vai cair, como caiu em outras cidades do mundo”, diz. Haddad diz que pretende introduzir o bilhete semanal e o bilhete mensal. Na réplica, Levy diz que Haddad teria que fundar um banco para financiar uma passagem tão cara. “Está todo mundo quebrado”, diz o candidato. Levy diz que a Prefeitura deveria comprar gasolina direto da Petrobrás e fornecer as empresas de ônibus para reduzir os custos das passagens. Na tréplica, Haddad mais uma vez detalha a própria proposta de criar um bilhete único mensal. O petista usa o seu tempo de resposta para negar as criticas ao seu projeto apresentadas pela propaganda de Serra.

00h50 – Serra faz uma pergunta para Fidelix sobre suas propostas para os transportes. O tucano admite que gostaria de perguntar para Russomanno, mas não teve a oportunidade. Ele cita propostas do candidato do PRB e pergunta o que Levy acha delas. O candidato do PRTB critica as propostas de Russomanno. Na réplica, Serra diz que a proposta de Russomanno é ruim. Ele defende uma redução na carga tributária de táxis. Na tréplica, Levy diz que apoia a ampliação da Guarda Civil Metropolitana, mas diz que é preciso mais criatividade para solucionar as questões.

00h46 – Giannazi faz uma pergunta para Russomanno. Ele diz que muitos temem a candidatura dele porque o veem como um Collor do século XXI. Giannazi também lembra o início político de Russomanno no PP de Maluf. Na réplica, Russomanno nega que tenha sido aliado de Maluf durante o período filiado ao PP. Ele afirma que sempre viveu “em briga” com o ex-prefeito e deputado federal. “A intenção de voto que tenho significa trabalho. Trabalho de 22 anos defendendo o cidadão.” Na tréplica, Giannazi diz que Russomanno apresentou “projetos bizarros” – como o que muda o termo estupro para assalto sexual – e diz que ele recebe dinheiro do lobby das armas. “É o fim da coerência política”, diz o candidato do PSOL. Na tréplica, Russomanno defende a proposta sobre estupro, que segundo ele serviria para tornar mais suportável para a vítima relatar a violência sofrida.

00h41 – Celso Russomanno pergunta para Paulinho da Força sobre a falta de creches em São Paulo. Ele quer saber qual a proposta do candidato para resolver o problema. Paulinho afirma que é preciso um grande debate sobre o tema. Ele também defende creches 24h para que mães que trabalham de madrugada possam deixar seus filhos em condições de segurança. “Paulinho, creches não são depósitos de crianças. Elas precisam ser tratadas de forma séria”, diz Russomanno na réplica. Ele defende que seja feito “o máximo para tirar as crianças das ruas”. Na tréplica, Paulinho diz que, além das creches, é preciso melhorar a educação. O candidato do PDT critica o sistema de progressão continuada e diz que “crianças precisam estudar para passar de ano”.

00h37 – Começa o quarto bloco do debate.

0h30 – Serra faz uma pergunta para Soninha sobre a indicação de Marta ao Ministério da Cultura. Ele diz que, segundo a imprensa, a indicação foi parte de uma troca para que ela apoiasse Haddad em SP. Ele pergunta se Soninha acha correto essa maneira de agir. Soninha concorda com a interpretação de Serra sobre o caso e afirma ser contra esse tipo de iniciativa. Na réplica, Serra diz que “troca-troca” prejudica serviço público. Soninha concorda e diz que é possível fazer acordos republicanos sem fazer escolhas equivocadas.

00h26 – Giannazi faz uma pergunta para Chalita sobre a escola de tempo integral. Ele diz que a propaganda eleitoral de Chalita é “enganosa” e questiona como o candidato apresenta essa proposta se, quando foi secretário de educação, não conseguiu implementar o projeto. Chalita diz que a proposta foi feita em seu último ano como secretário de Educação e, se depois caiu a qualidade, não é culpa sua. Giannazi volta a dizer que o candidato do PMDB mente. Ele diz que Chalita, como secretário da Educação, vetou projeto que acabaria com superlotação de salas e “vende uma ilusão” para o povo. Na tréplica, Chalita afirma que sua relação com os professores é fantástica. “Meu compromisso é cuidar dos professores da rede municipal também.” Ele defende a valorização dos professores.

00h22 – Russomanno pergunta para Levy Fidelix o que ele pretende fazer para acabar com os incêndios nas favelas. Levy diz que, com transporte de qualidade, essas pessoas podem morar “um pouco mais longe”. Russomanno lembra o programa para prevenir incêndios em favelas existe, mas não foi aplicado da maneira correta. “É uma situação triste e medonha, mas nós vamos resolver isso.” Na tréplica, Levy lembra frase de Joãozinho Trinta (“pobre não gosta de pobreza”) e diz que é preciso tirar a população das favelas.

00h18 – Chalita faz uma pergunta para Giannazi sobre as subprefeituras. Giannazi diz que as propostas de seu partido são plagiadas pelos outros candidatos. Ele garante que a proposta de eleições diretas para subprefeituras é do PSOL. Na réplica, Chalita diz que subprefeito precisa ter vínculos com a comunidade e que os subprefeitos indicados por Serra não tem esse vínculo. Na tréplica, Giannazi diz que o partido de Chalita, o PMDB, faz o mesmo e ele “não tem moral” para criticar a gestão de Serra e Kassab. “Vamos combater, com a ajuda da população, as máfias que estão instaladas na Prefeitura de São Paulo”, diz Giannazi.

00h14 – Paulinho faz uma pergunta para Serra. Ele afirma que quer fazer eleições diretas para as subprefeituras e pergunta o que o tucano acha da proposta. Serra afirma que é contra a ideia. Para explicar o motivo, cita suposto loteamento de subprefeituras na gestão de Marta Suplicy. Na réplica, Paulinho diz que subprefeituras precisam ter eleições diretas para melhorar a qualidade da gestão. Na tréplica, Serra diz que a proposta de poderia causar uma “anarquia” na cidade. Em seguida, ele comenta declaração anterior de Haddad sobre metrô e diz obras estão sendo realizadas.

00h09 – Soninha pergunta para Haddad se ele assina embaixo das acusações e críticas feitas contra Russomanno na propaganda eleitoral do PT. Haddad ignora a pergunta e volta ao tema da pergunta anterior. Ele volta a explicar porque, na sua opinião, a proposta de Russomanno para a segurança não daria certo. Em seguida, cita a proposta para os transportes. Na réplica, Soninha diz que sua posição é clara, em “oposição ao Russomanno” por suas ligações com a Igreja Universal. Na tréplica, Haddad lembra declaração de Soninha sobre votar nele em eventual segundo turno entre o petista e Russomanno. Haddad agradece o “apoio” de Soninha.

00h05 – Haddad faz uma pergunta para Russomanno sobre segurança pública. Ele questiona a proposta de Russomanno para aumentar o efetivo da Guarda Civil Metropolitana na cidade e pede que o candidato esclareça a própria posição. Russomanno diz que pretende aumentar progressivamente o contingente. Haddad volta à própria pergunta e reitera a dúvida. Ele questiona o quanto a proposta de Russomanno oneraria a Prefeitura. Russomanno diz que vai gastar por volta de R$ 600 milhões em segurança pública. Ele diz que com esse valor é possível bancar o aumento de contingente.

00h00 – Começa o terceiro bloco.

23h55 – Serra faz uma pergunta para Levy Fidelix e questiona qual a proposta do candidato para melhorar a oferta de empregos através do turismo. Fidelix diz que é preciso tirar os “grandes gargalos” da cidade. O candidato defende mudar a localização do Anhembi, de aeroportos e rodoviárias. Na réplica, Serra defende a expansão do centro de convenções do Anhembi e a criação de um novo centro de convenções em Pirituba. “Isso vai gerar muitos empregos”, diz o tucano. Na tréplica, Levy afirma que São Paulo precisa se potencializar, mas é preciso “fazer o dever de casa na matéria de mobilidade”.

22h51 – Levy Fidelix faz uma pergunta para Chalita sobre dívida pública. Ele quer saber qual a proposta do candidato do PMDB para reduzir a dívida. Chalita diz que deve usar a força da cidade de São Paulo para renegociar a dívida com o governo federal. Ele defende trocar a dívida por uma “dívida social”, com ajuda dos recursos federais. Na réplica, Levy diz que “povo de São Paulo está preocupado com seu cofre”. Ele diz que o único jeito de resolver esse problema é criando um banco. Levy diz que o governo federal “não pode dar dinheiro para nós”. Na tréplica, Chalita diz que a Prefeitura de São Paulo não é sequer capaz de usar recursos que já tem destinação estabelecida.

23h47 – Paulinho faz uma pergunta para Soninha sobre saúde. Ele pergunta qual o plano dela para a área em São Paulo. Soninha diz faltam profissionais de saúde em São Paulo, mas destaca que é preciso fiscalização. Ela defende um programa de concessão de bolsas para garantir que médicos com perfil “em falta” no serviço público sejam formados com ajuda da Prefeitura. Na réplica, Paulinho diz que São Paulo tem poucos leitos. Ele diz que vai contratar até 3 mil leitos da rede particular para garantir que todos os doentes da rede pública tenham acesso à internação.

23h42 – Giannazi faz uma pergunta para Serra sobre funcionalismo público. “Você fez coisas monstruosas contra os servidores”, afirma Giannazi, que pede que o tucano “explique isso”. Serra diz que os candidatos de PSOL e PT querem “acabar” com as parcerias público-privadas na área da saúde. Ele afirma que isso traria o caos na cidade. Na réplica, Giannazi lembra que Serra manteve “vale refeição de R$ 4,00 para servidores, o chamado ‘vale coxinha'”. Ele acusa o tucano de retirar direitos dos funcionários públicos e usar a polícia para reprimir os protestos. Na tréplica, Serra diz que Giannazi tem “visão pessoal, ofensiva até” sobre funcionalismo. O tucano diz que o deputado “precisa apelar”.

23h38 – Russomanno faz uma pergunta para Giannazi sobre Saúde. Ele destaca as filas de espera para exames e pergunta qual o plano do PSOL para a área. Giannazi fala em “desprivatizar” a rede de Saúde e “acabar com a fragmentação deste sistema”. Ele destaca a necessidade de criar um plano de carreira para os médicos e para todos os servidores do sistema público de Saúde. “Temos que respeitar a Constituição Federal. O Sistema Único de Saúde é uma conquista que está sendo destruída pelo tucanato.” Na réplica, Russomanno promete aumentar salários dos profissionais de saúde. Na tréplica, Giannazi afirma que o discurso de Russomanno não é coerente com as votações de seu partido na Câmara dos Vereadores de São Paulo.

23h33 – Chalita pergunta para Paulinho qual sua proposta para moradia. Paulinho afirma que visitou bairros da cidade e constatou que é preciso “fazer um grande programa de moradia” em São Paulo. Ele diz que é preciso regularizar as moradias. Na réplica, Chalita concorda com as propostas de Paulinho e diz que, ao ver a propaganda de Serra, ficou com vontade de morar na favela de Paraisópolis. Ele diz que a gestão atual fez, em 8 anos, menos do que a ex-prefeita Luiza Erundina fez em 4 anos. Na tréplica, Paulinho diz que, após a regularização das moradias, precisa ser feito um programa de crédito para melhorar as moradias.

23h30 – Soninha faz uma pergunta para Haddad sobre a nota de desagravo da base do governo em apoio ao ex-presidente Lula. Haddad diz que a oposição foi irresponsável ao atacar o governo acusando sem fundamento. “São Paulo está em descompasso com o que está acontecendo no País”, diz o petista. Na réplica, Soninha volta a falar sobre a nota de desagravo e diz que o teor da carta é “agressivo” e deixou até políticos que apoiaram o texto constrangidos. Na tréplica, Haddad diz que Soninha “fala como se não tivesse participado da Prefeitura de Kassab, da qual foi subprefeita”. Ele diz que vai acabar com a taxa de inspeção veicular. Lembra o caso Aref e diz que o ex-secretário envolvido em diversos casos de propina foi apontado por José Serra.

23h25 – Haddad faz uma pergunta para Russomanno. Ele cita a proposta de Russomanno sobre tornar a tarifa proporcional ao trajeto. Ele questiona a validade da proposta, uma vez que a mesma levaria os moradores da periferia a pagar mais pelo transporte público. Russomanno afirma que sua proposta é fixar um valor único para a passagem e diz que “quem anda mais vai pagar mais”. Na réplica, Haddad afirma que Russomanno quer subsidiar o transporte público “para quem mora perto” e diz que a proposta pode “acabar com o bilhete único”. Na tréplica, Russomanno afirma que a proposta de Haddad de fazer um bilhete único mensal vai aumentar os custos do transporte público e diz que ele “não sabe exatamente o que está falando”.

23h20 – Começa o segundo bloco do debate.

[galeria id=4481]

23h16 – Chalita faz uma pergunta para Levy Fidelix. Ele pergunta qual a política do candidato do PRTB para os idosos. Levy diz que “gostaria que a sociedade tivesse respeito com os idosos”. Ele destaca que apoio aos idosos não pode se resumir a criação de asilos e defende medidas visando garantir seu atendimento na rede pública e privada. Na réplica, Chalita afirma que a responsabilidade de manter as calçadas deve ser da Prefeitura, e não dos proprietários, para garantir acessibilidade. Na tréplica, Levy fala sobre sua proposta de atender os idosos com “os moto-médicos e os moto-remédios”.

23h11 – Levy Fidelix faz uma pergunta para Russomanno sobre transportes. Ele quer saber como o candidato do PRB pretende resolver o caos no trânsito de São Paulo. Russomanno afirma que, com a geração de emprego, é possível diminuir o trânsito. Ele destaca também a necessidade de mais corredores de ônibus. O candidato diz que modelos dos ônibus deve ser renovado para garantir melhor qualidade. Na réplica, Levy afirma que a população é tratada “como sardinha na lata”. Na tréplica, Russomanno afirma que é preciso “uma série de ações em conjunto” para garantir velocidade nos transportes coletivos.

23h06 – Russomanno faz uma pergunta para a Soninha. Ele quer saber o plano da candidata para melhorar os serviços públicos. Ela diz que é preciso reduzir a burocracia para não sujeitar o cidadão à “boa ou má vontade” dos funcionários. Ela defende uma revisão de “todos os processos”, mas destaca o papel das ouvidorias para garantir a qualidade da gestão. Na réplica, Russomanno diz que a Prefeitura “é uma empresa totalmente abandonada”. Ele destaca a falta de informatização dos prontuários médicos. Ao final, mostra um calhamaço de papel. “Para quem disse que eu não tenho plano de governo, este é o meu plano de governo.” Na tréplica, Soninha volta a destacar a participação dos cidadãos para garantir a qualidade dos serviços públicos.

23h02 – Soninha Francine faz uma pergunta para Giannazi sobre a cessão de um terreno na região da Nova Luz pela Prefeitura de São Paulo para o Instituto Lula. Giannazi afirma que Kassab “nada mais é do que um grande corretor de imóveis” e transformou a Prefeitura em um balcão de negócios. Ele acusa o prefeito de permitir a “especulação imobiliária”. Na réplica, Soninha afirma que a proposta do seu partido é de “revitalização” do centro de São Paulo. Ela destaca a importância da criação de moradias e diz que a cessão do terreno ao Instituto Lula é “uma injustiça”. Na tréplica, Giannazi diz que “empreiteiras mandam neste governo” e, por isso, “São está um verdadeiro caos”.

22h57 – Na réplica, Haddad diz que a prefeitura de São Paulo deixou de investir no metrô após Serra ter sido derrotado na disputa pela Presidência em 2010. Na tréplica, Chalita destaca o superávit da Prefeitura e diz que a gestão “é muito ruim” e “trata mal a população”.

22h55 – Haddad faz uma pergunta para Chalita sobre transporte público. Ele diz que, ao contrário do que Serra afirma, o transporte em São Paulo vai muito mal. Ele pergunta qual a proposta do peemedebista para a área. Chalita, ao responder, volta à pergunta anterior e pede que seu histórico como deputado seja comparado ao de Serra quando ele ocupou o mesmo cargo. Sobre a pergunta de Haddad, Chalita afirma que pretende entregar novas linhas de metrô.

22h53 – Na réplica, Giannazi afirma que o PT produziu um “rebaixamento” da política no Brasil. Ele afirma que o modelo do governo petista “reduziu os cidadãos ao consumo” e atribui a eles o surgimento do Russomanno como defensor do consumidor. Na tréplica, Haddad afirma que tem muitas objeções a como o PSOL faz política. Ele lembra a própria gestão à frente do Ministério da Educação e afirma que “acumulou experiência administrativa e de gestão”.

22h50 – Carlos Giannazi faz uma pergunta para Fernando Haddad. Ele pergunta porque o PT passou a criticar o Russomanno se ele faz parte da base de sustentação do governo federal. Haddad afirma que sua campanha não faz “ataques pessoais”. Ele afirma que foi alertado pela presidente Dilma sobre como seria a disputa em São Paulo. Haddad afirma que Russomanno deveria ter apresentado um plano de governo: “É o mínimo.” Ele pergunta quais são os compromissos do candidato, uma vez que ele não apresentou nada.

22h48 – Na réplica, Chalita afirma que Serra deu “quase 200% de aumento” para subprefeitos e cargos de confiança e diz que, para o resto dos servidores, o aumento foi de “0,01%”. O candidato diz que “isso é lamentável nesta gestão Serra e Kassab”. Na tréplica, Serra diz que Chalita é bem remunerado como deputado, com salário mais alto do que o dos subprefeitos, e não comparece às votações importantes. “Os dados estão aí. Os jornalistas podem checar.”

22h46 – Chalita faz uma pergunta para José Serra sobre funcionalismo público. O candidato do PMDB pergunta qual a proposta do tucano para valorizar os servidores de São Paulo. Serra diz que pretende valorizar de acordo com o mérito. Ele cita o caso dos salários dos professores como exemplo da aplicação desse tipo de administração.

22h44 – Na réplica, Paulinho relembra que Russomanno votou a favor do fator previdenciário e, anos depois, foi contra sua eliminação. Ele cita outras propostas que oneram sobre as aposentadorias e que foram apoiadas por Russomanno. Na tréplica, Russomanno afirma que quer falar sobre São Paulo. “É muito fácil falar aqui. Agora, trabalhar para garantir o direito de todos é o que eu sempre fiz.”

22h42 – Paulinho faz uma pergunta para Celso Russomanno sobre a atuação na Câmara dos Deputados. Ele acusa o candidato do PRB de “votar contra os trabalhadores” no Congresso. “Nunca votei contra os trabalhadores”, diz Russomanno. “Votei pela governabilidade deste País”, ele complementa. O candidato afirma que sempre andou na rua para ver os problemas das pessoas e insinua que os outros candidatos não tem contato com o povo.

22h39 – Na réplica, Serra diz que a construção de monotrilho que vai até a Cidade Tiradentes vai “ser uma coisa extraordinária” para os moradores da Zona Leste. Ele destaca as vantagens para toda a região. Na tréplica, Paulinho complementa seu argumento defendendo uma revisão dos contratos com as empresas de ônibus para reduzir o preço da passagem.

22h37 – O primeiro a perguntar é José Serra, que faz uma pergunta para Paulinha da Força sobre transportes. “Eu sempre enfatizei muito metrô. Quais são suas propostas para o setor?” Na resposta, Paulinho destaca o número de trabalhadores com carteira assinada em São Paulo e diz que 75% desses empregos estão no centro de SP. Ele defende a descentralização das empresas através de incentivos tributários, como redução do IPTU.

22h35 – A jornalista Maria Lydia Flandoli, mediadora do debate, apresenta os candidatos e as regras do encontro.

22h30 – Começa a transmissão do debate entre os candidatos à Prefeitura de São Paulo; acompanhe.

Tudo o que sabemos sobre:

prefeituraSão Paulo

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.