As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Câmara nega a Jaqueline Roriz, de novo, pedido de licença do cargo

Lilian Venturini

28 de março de 2011 | 15h52

Eduardo Bresciani, do estadão.com.br

A Terceira Secretaria da Câmara confirmou nesta segunda-feira, 28, que a Casa não aceitou uma nova tentativa da deputada Jaqueline Roriz (PMN-DF) de se licenciar do cargo. A deputada é investigada pelo Conselho de Ética e pela Corregedoria da Casa por ter sido flagrada em gravação de 2006 recebendo um pacote de R$ 50 mil do delator do “mensalão do DEM”, Durval Barbosa.

A primeira medida de Jaqueline desde que o caso veio à tona foi pedir uma licença médica de cinco dias, vencida no dia 21 de março. Na quinta-feira passada, 24, assessores da parlamentar tentaram protocolar novo pedido de licença. A justificativa era de problemas emocionais da parlamentar. A deputada teria, inclusive, perdido três quilos nas últimas semanas. O pedido, no entanto, sequer chegou a ser protocolado porque não havia prazo para a licença, norma exigida pela Câmara.

A assessoria da deputada informou que será protocolada nesta tarde a defesa de Jaqueline Roriz na investigação preliminar em andamento na Corregedoria da Casa. O corregedor, Eduardo da Fonte (PP-PE), aguarda apenas a defesa para realizar seu parecer sobre o caso. Fonte vai pedir que esta investigação seja encaminhada pela Mesa Diretora ao Conselho de Ética, onde a deputada já responde a processo devido à representação apresentada pelo PSOL.

José Eduardo Alckmin, advogado de Jaqueline, já marcou também uma conversa com o relator do caso no Conselho, Carlos Sampaio (PSDB-SP). Segundo o relator, o encontro acontecerá na terça-feira, 29. Sampaio diz ter ouvido de Alckmin que a defesa de Jaqueline pretende questionar também no Judiciário a competência do Conselho para investigar um caso anterior ao mandato da parlamentar.