As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Mínimo no Senado: Após reunião com sindicalistas, Paim recua e sinaliza voto favorável ao governo

Ricardo Chapola

22 de fevereiro de 2011 | 17h26

Andrea Jubé Vianna

BRASÍLIA – Após uma reunião de duas horas, a portas fechadas, com dirigentes das centrais sindicais, o senador Paulo Paim (PT-RS) declarou que votará de acordo com a sua consciência na sessão de amanhã, que definirá o reajuste do salário mínimo. Cercado por sindicalistas, o petista não declarou voto favorável ao valor de R$ 545 defendido pelo governo, mas sinalizou que não pretende contrariar o Planalto.

Paim não apresentará a emenda propondo a antecipação de 2,75% do reajuste previsto para 2012, o que elevaria o mínimo para R$ 560 a partir deste ano, conforme vem defendendo. Sob forte pressão do Planalto, ele não conseguiria reunir as 17 assinaturas necessárias para apresentá-la.

Ele prometeu aos sindicalistas, entretanto, que tentará retomar os debates sobre a extinção do fator previdenciário, a reposição das perdas dos aposentados e o reajuste da tabela do Imposto de Renda junto ao governo. Paim é autor de projetos de lei que aterrorizam o Planalto, entre eles, a proposta que equipara o reajuste das aposentadorias ao do salário mínimo e a que extingue o fator previdenciário.

O deputado Paulo Pereira da Silva (PDT-SP), presidente da Força Sindical, declarou que as centrais “liberaram o senador Paulo Paim para ele votar como quiser”. Paulinho da Força afirmou que as centrais não vão “enquadrar nem colocar a faca no peito de nenhum senador”.

O pedetista acrescentou que Paim não será vaiado pelos sindicalistas que pretendem lotar as galerias do Senado na sessão de amanhã, como ocorrido com o deputado Vicentinho (PT-SP), relator da matéria na Câmara. “Paim sempre esteve ao lado dos trabalhadores, ele continuará sendo o nosso senador aqui na Casa”, defendeu.

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.