No primeiro discurso como prefeito eleito, Fernando Haddad pede união ‘em torno de um projeto coletivo’ em São Paulo
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

No primeiro discurso como prefeito eleito, Fernando Haddad pede união ‘em torno de um projeto coletivo’ em São Paulo

Bruno Siffredi

28 de outubro de 2012 | 20h01

Bruno Siffredi, de O Estado de S.Paulo

O candidato do PT, Fernando Haddad, que venceu neste domingo, 28, a disputa pela Prefeitura de São Paulo, elegeu a redução da desigualdade social como o principal desafio de sua futura gestão. O petista, que fez seu primeiro discurso como prefeito eleito da capital paulista, pediu aos paulistanos união “em torno de um projeto coletivo” para a cidade.

“Ser prefeito pela força da mudança significa não ter tempo a perder”, afirmou o petista. Para Haddad, a capital paulista precisa “voltar a ser farol e antena” do resto do País. “Mas São Paulo tem que ser, antes de tudo, uma cidade lar, onde toda família possa realizar seu sonho de ser feliz.”

Haddad elegeu a redução da desigualdade social como o principal desafio de sua gestão à frente da capital paulista. Ele prometeu “derrubar o muro da vergonha que separa a cidade rica da cidade pobre”. São Paulo é “uma cidade rica, e ao mesmo tempo uma das mais desiguais do planeta”, disse.

O prefeito eleito da capital paulista disse que a sua São Paulo deve ser uma cidade “capaz de reconstruir”. Ele acusou a gestão anterior de abandonar a cidade e não reconhecer as suas potencialidades em áreas como cultura, indústria e comércio. “Intelectualidade (de São Paulo) nunca perdeu a capacidade de pensar.”

“O fracasso de São Paulo” seria o fracasso do modelo de cidade, afirmou o petista. “O Brasil moderno nasceu aqui, e o surpreendente Brasil do novo milênio também nascerá aqui.”

Virada. A vitória de Haddad em São Paulo foi definida por volta das 19h deste domingo, 28, quando 92% das seções da capital paulista já haviam sido apuradas. Ele aparecia com 56,03% dos votos válidos, contra 43,97% do tucano José Serra.

O novo prefeito de São Paulo iniciou a corrida eleitoral na capital do Estado praticamente desconhecido do eleitorado paulistano. O petista acertou a estratégia e conseguiu superar um início lento nas pesquisas, que o colocavam em quarto lugar na disputa antes do início da propaganda eleitoral.

O primeiro passo político do prefeito eleito deve ser articular, a partir deste domingo, 28, uma aproximação com a base kassabista na Câmara Municipal. Coordenadores da campanha petista calculam que Haddad precisa do apoio de pelo menos 30 vereadores para conseguir a presidência da Casa na eleição do dia 1.º de janeiro.

Trajetória. Com cinco livros publicados, mestrado em Economia e doutorado em Filosofia pela Universidade de São Paulo (USP), Fernando Haddad foi ministro da Educação nos governos de Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff, entre julho de 2005 e janeiro de 2012.

A crise do mensalão foi o passaporte de Haddad para o comando do Ministério da Educação (MEC), em 29 de julho de 2005. Foi nesse dia que ele assumiu a cadeira de Tarso Genro, convocado às pressas por Lula para presidir o PT, que teve a cúpula dizimada.

Veja como foi a cobertura minuto a minuto:

20h17 – Termina o primeiro discurso de Fernando Haddad como prefeito eleito de São Paulo.

20h17 – “São Paulo tem que voltar a ser farol e antena”, diz o petista. “São Paulo tem que ser, antes de tudo, uma cidade lar, onde toda família possa realizar seu sonho de ser feliz.”

20h16 – “São Paulo é nossa”, ressalta Haddad. “É de todos os paulistanos.”

20h15 – “É hora de fazer nascer uma nova São Paulo”, diz Haddad, defendendo uma cidade “capaz de se reconstruir”. Ele diz que a “intelectualidade (de São Paulo) nunca perdeu a capacidade de pensar”, culpando as gestões da Prefeitura pelos problemas.

20h13 – “O fracasso de São Paulo” seria o fracasso do modelo de cidade, afirma o petista. “O Brasil moderno nasceu aqui, e o surpreendente Brasil do novo milênio também nascerá aqui.”

20h12 – Haddad elege a desigualdade social como o principal da capital paulista. Ele fala em “derrubar o muro da vergonha que separa a cidade rica da cidade pobre”. São Paulo é “uma cidade rica, e ao mesmo tempo uma das mais desiguais do planeta”, diz o petista.

20h11 – “Ser prefeito pela força da mudança significa não ter tempo a perder”, afirma o petista. Ele defende “unir a cidade em torno de um projeto coletivo, de todos os paulistanos, de todos os moradores de São Paulo”.

20h10 – Haddad agora agradece os opositores, pela “campanha limpa e democrática”.

20h09 – “Sintetizo meu agradecimento e minha homenagem na figura decisiva e equilibrada do coordenador da minha campanha, Antonio Donato.”

20h08 – “Quero agradecer os apoiadores que ampliaram nossa corrente no segundo turno”, diz Haddad, citando em seguida Gabriel Chalita e Michel Temer.

20h07 – “Agradeço a presidenta Dilma pela presença vigorosa na campanha”, afirma o petista. O coro do público retorna, agora homenageando Dilma.

20h06 – “Quero agradecer do fundo do coração o presidente Lula”, diz Haddad. “Viva o presidente Lula.” O público inicia um coro de “Ole, olá, Lula, Lula”.

20h06 – “O sentimento mais forte é de gratidão. Quero agradecer em primeiro lugar aos milhões de homens e mulheres que me confiaram o voto. Muito obrigado aos eleitores de São Paulo.”

20h05 – Começa o discurso de Haddad. “Boa noite a todos. Boa noite a todos os cidadãos paulistanos.”

20h04 – O deputado federal Paulo Maluf também está presente no palco, assim como a ministra Marta Suplicy.

20h03 – Fernando Haddad sobre ao palco ao lado de sua filha, Ana Carolina.

Tudo o que sabemos sobre:

discursoeleições 2012HaddadSão Paulo

publicidade

publicidade

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.