Alckmin nega cunho eleitoral em parceria com Haddad em Franco da Rocha
As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Alckmin nega cunho eleitoral em parceria com Haddad em Franco da Rocha

Jennifer Gonzales

20 Setembro 2011 | 17h20

Wladimir D’Andrade, da Agência Estado

O governador Geraldo Alckmin (PSDB) negou nesta terça-feria, 20, que a eventual parceria com o ministro da Educação, o petista Fernando Haddad – um dos pré-candidatos petistas à sucessão municipal do ano que vem na Capital – para a instalação de um campus universitário federal em Franco da Rocha, na região metropolitana de São Paulo, tenha algum cunho eleitoral. O tucano também descartou que tal parceria, se for concretizada, possa irritar a ala de sua legenda que está preocupada com a sua aproximação com o governo federal e com a possibilidade de tal obra alavancar o nome de Haddad na corrida pela Prefeitura de São Paulo.

“Não é porque o ministro da Educação possa vir a ser candidato que vamos deixar de somar esforços em benefício da população”, afirmou Alckmin, em entrevista coletiva, na manhã de hoje (20), após cerimônia de posse do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana de São Paulo. O campus seria montado no local onde hoje está desativado um hospital psiquiátrico. De acordo com Alckmin, o governo do Estado já avaliava a hipótese de instalar um parque tecnológico no local. “A possibilidade de um campus universitário só ajuda”, emendou.

Ao descartar cunho eleitoral neste projeto, o governador lembrou algumas das parcerias que sua administração já fechou com o governo da presidente Dilma Rousseff (PT). E listou os acordos fechados na semana passada para as obras na hidrovia Tietê-Paraná e para o Rodoanel Mário Covas. Ele e a presidente Dilma anunciaram investimentos conjuntos de R$ 1,5 bilhão para a hidrovia e de R$ 6,51 bilhões para o eixo norte do Rodoanel (nesta obra entram ainda recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento). “Nós fizemos parceria na Tietê-Paraná e no Rodoanel, e o Ministério dos Transportes não tem nada a ver com questão eleitoral, da mesma forma, isso acontece na área social”, exemplificou.