As informações e opiniões formadas neste blog são de responsabilidade única do autor.

Alckmin inaugura comitê e tenta formar ‘infantaria’ tucana na capital paulista

Bruno Siffredi

20 Julho 2010 | 09h43

Por Roberto Almeida

Um dia depois de o petista Aloizio Mercadante inaugurar comitê de campanha na capital paulista, seu adversário na corrida ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), abre nesta terça-feira, 20, o QG tucano no Edifício Joelma, no centro da cidade.

“Agora é hora de mobilizar, ir para a rua”, disse o coordenador da campanha de Alckmin, deputado Sidney Beraldo.

Segundo a campanha, o comitê ocupa 1.100 m² no andar térreo, com sala de reuniões e anfiteatro com capacidade para 250 pessoas, que já vem sendo usado para reuniões com prefeitos do Estado e militantes do partido.

A coligação tucana, que conta com PMDB, DEM, PPS, PSC, PMN e PHS, ocupa ainda cinco andares alugados do edifício.
Estão instalados no Joelma, além da campanha de Alckmin e do presidenciável tucano José Serra, os setores administrativos dos candidatos da coligação ao Senado Orestes Quércia (PMDB) e Aloysio Nunes Ferreira (PSDB).

A campanha de Alckmin inaugura também o portal geraldo45, aposta tucana na interatividade para consolidar o programa de governo e encorpar a presença dos candidatos da chapa na rede.

Enquanto isso, o tucano continua sua peregrinação pela capital paulista, colhendo apoios e incutindo seu discurso entre lideranças locais e candidatos a deputado da coligação.

À noite, Alckmin vai a São Miguel Paulista, zona leste de São Paulo, cumprir a série de eventos organizados por seu candidato a vice, Guilherme Afif Domingos (DEM).

Com o slogan “Unidos por São Paulo e pelo Brasil”, Afif pretende angariar uma “infantaria” para combater as incursões petistas, que segundo ele “tenta comer apoio pelas bordas” da cidade.

Ontem à noite, Alckmin recebeu apoio de seu adversário no 1º turno das eleições de 2008, o prefeito Gilberto Kassab (DEM). Lado a lado pela primeira vez na campanha, Alckmin e Kassab trocaram afagos, mostraram confiança e disseram que irão governar em conjunto, caso o tucano seja eleito.

A presença de Kassab no palanque de Alckmin estava indefinida até então. Entre tucanos e políticos do DEM havia dúvidas sobre a real dimensão do apoio. A tônica do discurso de ambos é de batalhar pela eleição de Serra à Presidência.

selinho_twitter2